Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007

Viagem (I)

“Fez-se silêncio, novamente, o que correspondia à presença de muitos pequenos ruídos sem significado particular, um mutismo envergonhado, pejado de delicadas e esbatidas sonâncias, cuja origem se situava em todo o meu redor. Escondendo-me no isolamento ciosamente guardado daquele quarto, aproximara-me da janela e olhava, através da tosca vidraça, para aquela noite de uma outra era, bebendo a mansidão tranquilizante de uma cidade às escuras, os telhados desalinhados cobertos por uma fina geada, as ruas serpenteando como rios de leite negro derramado. Para além das muralhas, a silhueta das montanhas destacava-se contra um céu inundado pela fantasmagórica radiação da lua cheia, invulgarmente agigantada, presa à abobada celeste pelos invisíveis fios da gravidade. Um pouco mais à direita, transformado pelo luar num grande cadinho de metal em fusão, o oceano estendia-se até onde o horizonte era a fronteira. Respirei fundo e revi mentalmente aquele dia excepcional. A máquina funcionava: podia recuperar para mim todos os passados perdidos…”

V.A.D. em Viagem.

Imagem: Viagem no Tempo (www.geocities.com/stargateprojectcd/mindtrek.jpg)

música: Black Milk (Massive Attack)

publicado por V.A.D. às 02:53
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

Chamamento

Nos abismos da noite sem luz

Há um vento que sopra frio

Não evito o estranho arrepio

Ao escutar uma voz que seduz

Divindade etérea ou ser carnal?

Brada de dor, a mente

No corpo, um tremor infernal

Finjo-me destemido e valente

Quero saber quem é, afinal

 

Em vórtices de ar rarefeito

O vento sorri e dança

Alegre como uma criança

O coração pula no peito

Percebi quem clama assim

É vertigem desesperante

Fabulosa aventura sem fim

Viagem louca e alucinante

É a vida que chama por mim

 

Imagem: Chamamento (www.udel.edu/art/Faculty/Norsky/eleugif/eleus8.gif )
música: My Way (Frank Sinatra)

publicado por V.A.D. às 02:29
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

Intangível

“Em alguns momentos de insólito destempero, tenho a impressão de, na presença de outros, não existir de todo. Olho à minha volta e congemino que ninguém, absolutamente ninguém, me está a prestar atenção. Os olhares alheados, fixos num infinito de quiméricos e falaciosos horizontes, parecem permear-me como se o meu corpo fosse feito do mais transparente e incolor cristal, deixando-me siderado pela insegurança de não ser. Decidem não me perceber como tangível; interrogo-me sobre a minha irrealizável invisibilidade e estremeço. Cai-se-me a compostura, imagino-me feito de esfumada fantasia, um mero desvario de uma mente desconchavada. Perco-me de mim, arrastado pelo caótico delírio de ter rasgado, amarrotado e deitado fora, o invólucro que é o corpo onde não caibo. E depois, a angústia. A aflição de apanhar do chão os pedaços dispersos pelo vento e reconstruir a arrevesada exterioridade. A urgência de me reunir à roupagem, para que o conteúdo encontre o formato. O receio de que o espírito soçobre, se se ausentar do organismo. A certeza de que só sou se for uno…”

V.A.D. em Algures.

Imagem: Intangível (www.paasonen.com/media/0000000518.jpg)

música: Breathe Me (Sia)

publicado por V.A.D. às 01:34
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Domingo, 4 de Novembro de 2007

Prémio Visitante

Foi com um grande orgulho que recebi da In, através do seu blog Ainda Sem Nome, este bonequinho risonho e de cabelos desgrenhados, que é o símbolo do “Prémio Visitante”. Também eu não sei bem quais são as regras, mas gostaria de passá-lo a todos os visitantes deste espaço, onde publico pedaços do meu entendimento, porque a todos devo gratidão. No entanto, não posso deixar de salientar alguns dos nomes que, ao longo de meses, tenho visto assiduamente, assinando comentários, exprimindo opiniões e contribuindo com um incentivo valioso para a continuidade deste lugar:

Alexiaa

Dhyana

Collybry

Emanuela

Fisga

Gata

In

In My Way

João Sousa

MalucaResponsável

Marisol2007

Melissa Yedda

Rhiannon

Teresworld

Agradeço a todos os visitantes, sem excepção, a paciência que têm demonstrado.

música: My Friend (Groove Armada)

publicado por V.A.D. às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
Sábado, 3 de Novembro de 2007

Os Outros (VI)

“Penosamente, peguei nos pedaços desfeitos da minha congruência e juntei-os com extremo cuidado. A espuma e a lâmina de barbear encarregaram-se de sonegar as provas; a água, negra de sonhos lúcidos, sumiu-se pelo ralo abaixo. Rodopiando, levou consigo parte do meu cepticismo. Nesse dia, quis dormir até à exaustão.

Assisti ao gotejar das águas na clepsidra do tempo, as horas passando por mim como luzes vertiginosas, os anos sucedendo-se bonançosos, percebidos com a cadência própria de quem já viveu metade da vida. Sabia, de forma pertinente, que aquele episódio não passara de uma ilusão, que nada daquilo que sentira e experimentara havia sido real. E, no entanto, vívida e incisiva como um gume afiado, a esquizóide e obsessiva impressão de aquilo tinha sido mais do que uma simples manifestação de uma raridade neurofisiológica, teimava em atormentar-me. Tinha sido oneironauta por uma noite: a hiper-realidade, estranha e enganosa, apossara-se de mim, arrastando-me por lugares horríveis e fazendo-me refém de mim mesmo. Ah…! Nunca mais levei os dedos à nuca!”

V.A.D. em Os Outros.

Imagem: Sonho Lúcido (http://sprott.physics.wisc.edu/fractals/collect/2005/Lucid_Dream.jpg)


publicado por V.A.D. às 03:26
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

Os Outros (V)

“Acordei com o som irritante do velho despertador. Mesmo que viva mais cem anos, nunca me irei habituar àquele ruído esganiçado e intermitente, que me entra pelos ouvidos adentro, qual trombeta em desatino tocada por um músico alienado. Um agonizante cansaço, que me moía os ossos e oprimia as têmporas, não impediu que me levantasse de rompante: sabia ser a única forma de não voltar a cair num sono esvaziado e estupidificante. Ansiava por um duche que me arrancasse, da pele e da mente, a sujidade das lunáticas horas daquela noite cataléptica. Depois de satisfeita uma premente necessidade fisiológica, abri a torneira e, enquanto esperava que a água se fizesse quente, olhei-me no espelho. O choque foi avassaladoramente brutal e indescritível na sequela. A minha face, escanhoada escrupulosamente havia menos de um dia, apresentava-se coberta por uma longa barba cerrada. Os olhos, vermelhos de minúsculos mas incontáveis derrames, denunciavam uma fadiga impossível. Levei os dedos à nuca, e o tacto disse-me que lá estava a cicatriz dos meus medos, ainda por sarar. E o meu juízo, desfazendo-se numa geleia grumosa e peganhenta, desagregou-se do meu ser e escorreu por mim abaixo…”

V.A.D. em Os Outros.

Imagem: A Perda do Juízo (http://baltgames.lv/v2/usergalleries/46135.jpg)

música: Exchange (Massive Attack)

publicado por V.A.D. às 00:04
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007

Os Outros (IV)

“Não consegui sequer completar o pensamento. Pois que o tempo efectivamente ludibriou-me, esquivando-se desabridamente, deixando-me inane de raciocínios e saciado de sensações. Tudo o que havia já experimentado, dor e êxtase, alegria e pesar, ódio e amor, raiva e tranquilidade, tudo se afunilou numa imensa torrente, barulhenta e embriagante. Toda a luz, toda a cegueira, todas as loucas delícias e todas as infaustas desilusões estavam condensadas naquele infernal instante sintético. A totalidade do que já havia conhecido parecia esfaquear a minha sanidade, a seiva da lucidez esvaindo-se a cada golpe… Parecia-me que balançava entre a vida e a morte, sem perceber a eternidade. Séculos de séculos, vidas depois, tive de novo consciência da minha natureza humana. Reconheci instantaneamente a semi-obscuridade tranquila do meu quarto e aquietei-me com um compassado e ténue som de respiração. Ainda com o coração a bater aceleradamente, virei-me para procurar o aconchego do corpo dela encostado ao meu. Abracei-a e adormeci, enquanto me tentava persuadir de que tudo aquilo não passara de um mero pesadelo. Teria sido apenas isso…?”

V.A.D. em Os Outros.

Imagem: Vórtice (www.robotpegasys.com/alienswfs/abcfiles/vortex.jpg)

música: Whenever There Is You (Koop)

publicado por V.A.D. às 03:21
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Mahabharata महाभारत

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

.arquivos

. Agosto 2019

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

SAPO Blogs

.subscrever feeds