Sexta-feira, 30 de Maio de 2008

Eternidade

“E ali estava ele, sozinho e incapaz de se maravilhar com a beleza assustadoramente poderosa daquele simples crepúsculo, a vermelhidão do céu tornando-se violeta à medida que o sol se refugiava para lá do horizonte longínquo, as sombras tingindo o solo verde de relva em tons de negro, a suave brisa afagando-lhe o rosto agora sem rugas. Olhava em frente mas deixara de contemplar, perdera a habilidade de vislumbrar um futuro que se lhe oferecia insípido, as razões da sua existência confundindo-se com a desilusão da monotonia. Os pensamentos velhos e longos de séculos atropelavam-se na sua mente, definhando na exuberância da carne, a contínua e perfeita renovação dos músculos e das glândulas afundando-o numa atmosfera de futilidade, os dias infinitos impacientando-o, a eternidade há muito conquistada afigurando-se-lhe demasiadamente inane para merecer ser vivida. A sabedoria adquirida com o embranquecimento dos cabelos havia sido lentamente dissipada pelo desengano de um milhão de manhãs sempre iguais, o desapontamento levando-o a uma apatia cada vez maior, o cansaço das tarefas repetidas tornando-o pouco mais que um mero autómato, o algoritmo de si próprio revelando-se desatinadamente fastidioso…”
V.A.D. em Eternidade
Imagem: Eternidade (http://kabbalah4women.typepad.com/photos/uncategorized/2007/03/19/eternity.jpg)

publicado por V.A.D. às 03:00
link do post | favorito
De Emanuela a 1 de Junho de 2008 às 03:33
Olá amigo,
"perdera a habilidade de vislumbrar um futuro que se lhe oferecia insípido".Isto para mim é o verdadeiro envelhecimento. Espero que a tua escrita seja feita de ficção,pois se ela for realidade precisarei acreditar que estás muito infeliz.
Beijos, bom domingo


De V.A.D. a 2 de Junho de 2008 às 02:44
Concordo em absoluto com a perspectiva que apresentaste, amiga. O envelhecimento do espírito traduzir-se-á, certamente, pela perda da capacidade de encararmos o futuro como algo de estimulante...

Amiga, embora em boa parte dos meus textos use as experiências vividas como base para a escrita, este é um exemplo de pura ficção, no qual o protagonista se vê perante a eternidade, os pensamentos repetidos até à exaustão, a mente afundando-se num desalento feito de rotinas...

Embora não acredite na continuidade do espírito após a morte física, penso muitas vezes na promessa de "eternidade", algo que é a base de muitas das religiões. Já imaginaste o desencanto, o cansaço, a monotonia de dias que se repetem para sempre...?

Desejo-te uma óptima noite e uma magnífica semana, amiga!

Um beijo e um enormeeeeeeeee sorriso... :-)


De Emanuela a 2 de Junho de 2008 às 03:01
Amigo, não imagino uma eternidade assim, de dias sucedendo-se, de tempo, de rotinas, de questionamentos... Acredito que ao "desencarnar", para se chegar a este lugar que denominamos céu, seja simplesmente um estado de espírito perfeito, integrado à tudo e por isto mesmo pleno. Não mais esta noção de envelhecimento, não mais qualquer tipo de insaftisfação. Mas apesar de sondarmos tanto os mistérios do universo, da finitude, acredito que
" agora vemos por espelhos, mas um dia veremos face a face"... Para mim, este pensamento é deveras o que me consola e nele espero.
Um grande beijinho para ti.
Desejos de uma boa semana!


De V.A.D. a 5 de Junho de 2008 às 02:55
Gostaria de poder olhar a eternidade como um lugar plausível, no qual se atingisse essa unificação que depreendo das tua palavras, amiga... Mas não sou capaz de o fazer. Acredito na matéria e nas leis da física; não consigo entender de que forma o espírito poderia sobreviver à morte do organismo que o "suporta"...

Apesar de tudo, vamos por momentos supor que essa unificação é atingida. Que mais haveria para fazer ou para sonhar...?

Desejo-te uma magnífica noite!

Um beijo e um enormeeeeeeeeeeeee sorriso... :-)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 35 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Mahabharata महाभारत

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

.arquivos

. Agosto 2019

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds