Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

Significância

                  

“O tempo não tem significância, nem tão-pouco o espaço, a não ser quando para um ou para ambos acontece a apreciação do pensamento. E esse prossegue continuadamente, conquanto a vigília aparte a mente dos oblívios profundos de um sono sem sonhos, jogos de luz e fulgurantes sons arquitectando o entendimento, o sentir convertido em imagem, a diáfana essência da verdade sendo tocada ao de leve…”

V.A.D. em Algures

Vídeo: Mind Games (John Lennon) (http://www.youtube.com/watch?v=8dHUfy_YBps)


publicado por V.A.D. às 01:55
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

A Vida (II)

                  

A recente descoberta de aminoácidos nas nuvens de poeira das profundidades do espaço é um sinal de que a prodigiosa química da vida pode não ser tão rara quanto pensávamos, os seus tijolos básicos estando disponíveis em lugares inusitados, sementes aguardando um local propício ao desenvolvimento, órbitas descentradas, cometas ou meteoritos caindo sobre planetas hospitaleiros arremedando a mão do semeador. Começámos ainda agora a procura de vida noutros planetas. Descartando o projecto SETI, cujo intuito é a busca de inteligência extraterrestre, só há muito pouco tempo foram lançadas missões, a planetas do nosso sistema solar, com verdadeiras hipóteses de fornecer resultados esclarecedores. A odisseia espacial está a dar os primeiros passos; exige-se paciência e fundos. A recente descoberta de inúmeros exoplanetas representa a certeza de que outros sistemas planetários são uma realidade, dando-nos a esperança de que algum deles abrigue vida. As probabilidades de a encontrarmos são pequenas mas, sob o meu ponto de vista, não podem nem devem ser postas de parte. Porque acredito que, tal como o sonho, a busca deve ser uma constante da vida…

Vídeo: Exoplaneta em Zona Habitável (www.youtube.com/watch?v=5w7NUsBcgyw&NR=1)


publicado por V.A.D. às 02:30
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Domingo, 17 de Junho de 2007

Propulsão

Mesmo viajando a velocidades próximas às da luz, uma nave espacial gastaria quase dez anos numa viagem de ida e volta à estrela mais próxima. Se a duração desta jornada parece longa, a realidade mostra-se bem mais desanimadora. As velocidades exigidas pela aventura interestelar são humilhantes para os portentosos veículos actuais, maravilhas do engenho humano: impulsionados quimicamente, eles levariam cinquenta milhares de anos a atingir a Proxima Centauri. Contudo, se dispõe de um ainda precário arsenal espacial, a espécie humana conta com uma grande arma: a imaginação, impulsionadora dos mais incríveis avanços tecnológicos. Já somos capazes de vislumbrar algumas maneiras de realizar o velho sonho de alcançar as estrelas. A rigor, os entraves que persistem são meros problemas de engenharia. Usando fusão, fissão, antimatéria, laser ou iões como propulsão, conseguiremos seguramente enviar uma nave para além do nosso sistema solar. Resta saber quando. E há também outra questão: será relevante fazê-lo?

Imagem: Insígnia (www.colonization.biz/me/pics/sunshipc.jpg)

música: Moonlight Sonata (Beethoven)

publicado por V.A.D. às 01:51
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Maio de 2007

Éter - parte 2

A dificuldade sentida no entendimento da estrutura infinitesimal do espaço-tempo levou alguns teóricos a virarem-se para um campo inesperado: a física da matéria condensada, o estudo de substâncias comuns, como cristais ou líquidos, e das suas interacções em sistemas de grandes dimensões. Tal como o espaço-tempo, a matéria condensada  é vista   como um continuum, quando  observada em grandes escalas, mas, ao contrário do espaço-tempo, tem uma estrutura microscópica bem conhecida, governada pela mecânica quântica. Além disso, a propagação do som num fluido em movimento é análoga à propagação da luz num espaço-tempo encurvado. Alguns trabalhos têm sugerido a possibilidade de que o espaço-tempo é constituído por grânulos, tal como um fluido é feito de incontáveis moléculas. Isto pode significar que, para distâncias extremamente curtas, o espaço-tempo pode manifestar características governadas por leis que não cabem no âmbito da relatividade. Teria Aristóteles razão, quando defendia a tese de que a Natureza abomina o vazio absoluto? O conceito de que a própria estrutura do Universo é feita de uma espécie de matéria-energia aglomerada em pacotes discretos vai ganhando um peso cada vez maior, fazendo crer que a relatividade é uma mera aproximação bem sucedida a uma teoria da Natureza bem mais profunda e unificadora.

Imagem: Espaço-Tempo (www.unpronounceable.com/graphics/raytraces/spacetime3.jpg)

música: Island In The Sun (Weezer)

publicado por V.A.D. às 03:03
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

Éter - parte 1

Quando Albert Einstein publicou a sua teoria da relatividade restrita, em 1905, rejeitou liminarmente a ideia, em vigor até ao século XIX, segundo a qual a luz se propagaria no espaço sideral através da vibração de uma hipotética substância, o éter. Em vez disso, argumentou, as ondas de luz podem viajar no vácuo sem serem suportadas por qualquer material, ao contrário das ondas sonoras, que são vibrações do meio no qual se propagam. Este postulado é intocado nos outros dois pilares da física moderna, a relatividade geral e a mecânica quântica. Até aos dias de hoje, todos os dados experimentais, em escalas que vão desde o sub-nuclear até aos anos-luz, são explicados com êxito por estas três teorias. No entanto, os físicos enfrentam um profundo problema conceptual. Conforme compreendidas actualmente, a relatividade e a mecânica quântica são incompatíveis. A acção da gravidade, atribuída ao encurvamento do espaço-tempo pela presença de um corpo massivo, tem teimosamente recusado um enquadramento na teoria quântica. Os teóricos têm feito apenas pequenos progressos no sentido de entender a estrutura do espaço-tempo, altamente encurvada, que a mecânica quântica os faz crer existir em distâncias extremamente curtas. Haverá uma solução para este problema?

Imagem: Onda (www.maretec.mohid.com/Estuarios/Inicio/Mohid2000_files/image020.gif)

música: Put Your Lights On (Santana & Everlast)

publicado por V.A.D. às 01:20
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

Viagem Espacial - parte 3

O que mais impressiona os sonhadores terrestres é o programa espacial de voos pilotados. Em Abril de 1961, os soviéticos tornaram-se os primeiros a colocar um homem no espaço. A honra coube a Yuri Gagarin, que num voo de 108 minutos circundou a Terra. Semanas mais tarde, os americanos empataram a corrida, com Alan Shepard a fazer um voo sub-orbital. Seguiram-se tripulações de dois e três homens, mas, afinal, o programa Apollo dos EUA conquistou a atenção mundial e deu a liderança a este país na exploração espacial. Iniciada por John Kennedy em 1961, esta aventura necessitaria de oito anos para transportar até à Lua o primeiro dos doze astronautas que pisaram solo extra-terrestre. A epopeia continua, com alguns reveses e atrasos, mas o sonho não acaba. “Não se pode pensar em parar”, escreveu, em 1932, Robert Goddard a H.G.Wells, “pois o objectivo de chegar às estrelas, tanto literal como figurativamente, é uma tarefa para gerações. De maneira que, não importa quantos passos se tenham dado, tem-se sempre a impressão de estar apenas no começo.”

Imagem: Descolagem da Apollo 11(http://earthobservatory.nasa.gov/Library/Giants/vonBraun/Images/apollo_11_launch.jpg)

música: Porcelain (Moby)

publicado por V.A.D. às 01:18
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Abril de 2007

Viagem Espacial - parte 2

Foi com o desenvolvimento dos mísseis balísticos de longo alcance, a partir dos foguetes V-2 alemães, que se deram os primeiros passos significativos no sentido de tornar realidade o sonho dos voos espaciais. Ao aperfeiçoar estas tecnologias da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos e a União Soviética construíram armas que podiam viajar à velocidade de 30000 quilómetros por hora, necessária para escapar à atracção gravítica terrestre. Em meados da década de 1950, Werner Von Braun, que havia desenvolvido as V-2 e, após o conflito, tinha ido para os EUA, estava convencido de que um satélite artificial poderia orbitar a Terra. Sergei Korolev, chefe do programa de desenvolvimento de foguetes da URSS, concordava com essa opinião. A corrida espacial começou no dia 4 de Outubro de 1957, quando os soviéticos lançaram o primeiro satélite da história, o Sputnik-1. Mais uns poucos meses e lançariam a cadela Laika para o espaço, num laboratório científico automático: o Sputnik-2. Os EUA lançaram o seu primeiro satélite em 31 de Janeiro de 1958 e chamava-se Explorer-1. Para a realização destes voos, os dois países usaram mísseis balísticos modificados. Nas duas décadas seguintes, aprendeu-se mais sobre a Lua e nosso Sistema Solar do que todo o conhecimento que até então se tinha conseguido acumular, durante toda a história da astronomia. Os dois países enviaram naves a Vénus e a Marte. Além disso, os EUA realizaram um voo pelas proximidades de Mercúrio, pousaram laboratórios automáticos em Marte e as suas naves automáticas fizeram passagens rasantes sobre Júpiter e Saturno.

Imagem: V-2 (www.mda.mil/mdalink/bcmt/images/images_lg/v-2.jpg)

música: Chariots of Fire (Vangelis)

publicado por V.A.D. às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 22 de Abril de 2007

Viagem Espacial - parte 1

Gosto de pensar que, tão logo evoluiu a ponto de sentir-se aquecido, alimentado, abrigado e em segurança, o Homem passou a acalentar a ideia de voar. Erguer-se nos ares como um pássaro parecia fantástico, mas visitar a Lua e aqueles pontos de luz no céu, este era, na realidade, o verdadeiro sonho. Talvez o primeiro relato de uma aventura assim tenha sido escrito por Luciano de Samósata, satirista grego do segundo século da era cristã que, na sua obra Uma História Verdadeira, descreve uma viagem ao nosso satélite natural. Por centenas de anos, no entanto, ninguém chegou a compreender as imensas distâncias envolvidas nas viagens espaciais, nem o facto de que o espaço é essencialmente vazio. O entendimento do céu começou com Copérnico, que no século XVI mapeou o movimento dos planetas em torno do Sol. Um século mais tarde, Galileu salientou a importância das distâncias no espaço. Kepler calculou as órbitas elípticas dos corpos do Sistema Solar, e Isaac Newton formulou as suas leis do movimento, fornecendo a base teórica necessária para a criação de sistemas de propulsão no espaço sideral. Três pioneiros resolveram pragmaticamente os problemas básicos do voo espacial: o russo Konstantin Tsiolkovsky, o americano Robert Goddard e o alemão Hermann Oberth. Na literatura, Júlio Verne, no seu romance de 1865 Da Terra à Lua, e H.G. Wells em Os primeiros Homens na Lua, publicado em 1901, anteciparam algumas das aventuras por vir.

Imagem: Da Terra à Lua (http://orbita.starmedia.com/~conde_vargas/verne2.jpg)

 

música: Eye In The Sky (Allan Parson's Project)

publicado por V.A.D. às 23:14
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Março de 2007

Monte Olimpo

Um dia, talvez ainda na primeira metade deste século, um astronauta levantará a protecção do seu capacete espacial e, contra o céu rosado de Marte, ficará extasiado perante a majestosa beleza do Monte Olimpo. Na Terra, a mitológica montanha que também tem este nome foi a morada dos antigos deuses gregos. Mas o Olimpo terrestre, que Heródoto invocou mais de uma vez para a protecção dos seus heróis, é uma elevação modesta, durante boa parte do tempo oculta por nuvens, como se os deuses se tentassem abrigar da curiosidade humana. O Olimpo marciano é a maior elevação do Sistema Solar. O seu sopé estende-se por mais de meio milhar de quilómetros e o cume projecta-se, num céu sem nuvens, a 25 quilómetros de altura, três vezes mais alto que o Everest. É o cone de um gigantesco vulcão que se exauriu com a morte geológica do planeta. Mas a vontade e o engenho humanos não morrem; impulsionam-nos para além das fronteiras do nosso pequeno mundo azul, em busca de novos desafios. O Homem olha para a imensidão do espaço e sonha com a sua conquista.

Imagem: Monte Olimpo (www.hcc.hawaii.edu/~pine/OlyMons.jpg)

música: Kelly Watch The Stars (Air)

publicado por V.A.D. às 01:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 17 de Março de 2007

Tecnologia Espacial

Durante a sua longa e frutuosa vida, o filósofo inglês Bertrand Russell foi sábio e céptico o bas tante para desconfiar da "conquista do espaço". Temia que os mais abjectos motivos estivessem por detrás dos multimilionários programas soviético e norte-americano para tornarem possível os vôos espaciais. Russell não viveu o suficiente para ver que também levamos para o espaço coisas boas, capazes de melhorar a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Mas, o filósofo poderia contra-argumentar que os notáveis avanços científicos e tecnológicos gerados pelas actividades espaciais ainda estão longe de conter tendências irracionais e destrutivas. E teria alguma razão. O espaço não é mais que um reflexo da Terra, e se cá em baixo continuam a haver tantas divergências e conflitos, não seria de esperar que lá no alto as coisas fossem totalmente diferentes. Não tenho ilusões utópicas acerca de uma actividade que tem uma forte componente militar e política, a par de uma outra eminentemente comercial. Contudo, temos hoje a nosso favor uma cultura civilizatória, que encontra eco nas democracias ocidentais. Embora as órbitas do nosso planeta não estejam livres de acções bélicas capazes de constituir uma ameaça, as formas predominantes de cooperação espacial procuram difundir competências entre cada vez mais países, por forma a possam dar a sua contribuição à conquista do espaço e não se limitem a ser consumidores de produtos alheios. As parcerias inter-governamentais estão a levar para o espaço práticas de colaboração, de convivência  e de trabalho solidário, impensáveis no tempo da guerra fria. A exploração espacial é encarada como forma de promover o conhecimento, através de uma vertente puramente científica, cada vez mais preponderante. Isto teria agradado a Russel. Agrada-me.

Imagem: I.S.S. (http://static.howstuffworks.com/gif/space-station-iss.jpg)

música: Lazy Moon (Groove Armada)

publicado por V.A.D. às 02:47
link do post | comentar | favorito
|

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Significância

. A Vida (II)

. Propulsão

. Éter - parte 2

. Éter - parte 1

. Viagem Espacial - parte 3

. Viagem Espacial - parte 2

. Viagem Espacial - parte 1

. Monte Olimpo

. Tecnologia Espacial

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds