Segunda-feira, 24 de Dezembro de 2007

Artefacto (XI)

“Tinha as mãos frias e o rosto insensibilizado, a rigidez dos músculos contrastando com a agitação dos pensamentos que, em barda, cruzavam a minha mente, no espinhoso empreendimento de reconstituir os acontecimentos recentes. Havia sido remetido, por um período incerto, para um lugar onde nada existia, nem sequer o tempo, pelo menos em qualquer sentido inteligível do termo. Durante esse ápice, percebia apenas a minha existência, com uma impressão fabulosa de luz azul, as memórias dispersas criando imagens surreais, os raciocínios falhos de consistência. Depois, os sentidos foram-se reabilitando e agora tornava-se óbvio que me encontrava num engenho em órbita, prisioneiro daqueles seres que me haviam apanhado de surpresa e arrojado para as imensidões do espaço, incapaz de contrariar os seus intuitos, fossem eles quais fossem. Não sabia o que me iria acontecer, mas estava disposto a lutar, assim que surgisse a oportunidade!  

O Alto Comando, reunido no Concílio dos Planetas, analisava em tempo real as principais informações que iam sendo extraídas da sonda, o entrelaçamento quântico permitindo a transmissão instantânea dos dados, os transdutores, ainda que separados por um imenso golfo espacial, agindo como uma só máquina. As primeiras ilações foram tiradas ao mesmo tempo por quase todos os noventa e seis governadores planetários. Aquela raça, jovem e belicosa, havia passado grande parte de sua História num conflito permanente, os raros períodos de paz ensombrados por genocídios terríveis, a ânsia de poder levando a actos de uma atrocidade inimaginável. E aquela capacidade estranha de agir por mera intuição, a lógica racional a ser muitas vezes abandonada em prol de uma emotividade que não cabia no entendimento de um réptil…! Num consenso absolutamente inédito, foi deliberado que aquele planeta fosse declarado interdito, assim que o humano fosse recolocado, ileso, na superfície terrestre. Não podiam apostar na ocupação de um planeta cuja espécie dominante sabia o que era a resistência às invasões e, decididamente, não podiam arriscar o contágio por aquela doença chamada emoção.

V.A.D. em Artefacto

Imagem: A Terra Vista de Órbita (www.nasa.gov/images/content/161108main_iss013e77965.jpg)

música: Philosophy Of Time Travel (Michael Andrews)

publicado por V.A.D. às 02:06
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Domingo, 23 de Dezembro de 2007

Artefacto (X)

“O aparelho elevou-se na vertical, o computador de voo traçando o rumo, em obediência às ordens esboçadas pelo piloto, as instruções para o sistema de propulsão contendo dados que exigiam um pequeno mas denunciador acréscimo de potência. O passageiro excepcional, amarrado num dos assentos disponíveis, demorava-se num estupor catatónico, resultante da maciça dose de electrões de alta energia, o equilíbrio dos processos electroquímicos do seu cérebro, ainda por restabelecer, tornando-o indiferente ao mundo exterior, encerrando-o nos seus pensamentos e invalidando o uso dos próprios sentidos. Sentado a seu lado, o extra-terrestre ferido pelo choque do extintor levou a mão à testa, por onde ainda escorria hemolinfa, o tom azulado da proteína responsável pelas trocas gasosas da respiração a ser conferido pelo cobre da hemocianina, em lugar do vermelho do ferro. Não havia nele o mínimo indício de vergonha ou desonra: a sonda havia sido resgatada e dela iriam ser extraídas as informações que determinariam se aquele era um planeta que merecesse ser anexado ao império. E haviam capturado um espécimen indígena vivo...

Os pedacinhos caídos do meu entendimento erguiam-se no sopro de uma brisa morna, a débil constatação da inteireza incrementando-se, à medida que os órgãos sensoriais retomavam a actividade. A sensação de imponderabilidade gerava uma desorientação desconhecida, mas rapidamente contornada, a ânsia de perceber onde estava sobrepondo-se a tudo, numa urgência aparentemente descabida…”

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Hemocianina (http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/fb/Hemocyanin2.jpg/150px-Hemocyanin2.jpg)

música: Today's The Day (Aimee Mann)

publicado por V.A.D. às 03:15
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sábado, 22 de Dezembro de 2007

Artefacto (IX)

“Dei um passo atrás, tranquei-me no laboratório e olhei à minha volta, procurando algo que pudesse servir para contrariar o assalto, óbvio e eminente, daquela criatura inequivocamente alienígena, indubitavelmente em busca do artefacto. Da porta vinha um som rotativo, entremeado de silvos estridentes e agressivos, que se metiam ouvidos adentro como uma broca de dentista, o córtex auditivo protestando veementemente, o corpo reagindo num eriçar de pelos, o medo actuando como gelo sobre a pele. O vermelho do extintor angariou a minha atenção e, num rompante, retirei-o do suporte preso na parede, a tempo de arremessar violentamente à cabeça do intruso que, havendo destruído a fechadura, cruzava a ombreira. Inanimado, o corpo pesado desabou a meus pés, a euforia absurda levando-me à incúria…

O Alto Comando não ignora que até as raças mais fracas podem surpreender, pela obstinada mania de prorrogar o inevitável e pelo empenho que revelam nessa tarefa. Por isso, na retaguarda de um guerreiro, existe sempre outro, decidido a fazer cumprir o plano. E ali estava, à entrada, o executor do serviço inacabado. Não usou a maça nem os punhos: um feixe de luz, de um azul intenso, foi dirigido à nuca do humano…”

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Raio de Luz Azul (http://img.teoriza.com/blogs/laser-azul-calentar-cafe-blu-ray.jpg)


publicado por V.A.D. às 03:41
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007

Artefacto (VIII)

“As marcas das passadas ia ficando desenhadas em profundos baixos-relevos, a relva macia afundando-se sob o peso do alienígena saído do voador. No braço direito, um pequeno ecrã holográfico assinalava a posição da sonda dentro do edifício; na garra esquerda, a maça cerimonial era uma arma temível, capaz de esmagar o que quer que se interpusesse no caminho. A língua bifurcada explorava o ar frio, transportando informações químicas para o órgão vomeronasal, conectado ao bolbo olfactivo, o cheiro de eventuais perigos escondidos sendo prontamente detectado. Com uma presteza inusitada, os degraus que o separavam da entrada foram galgados num salto e viu-se no interior da edificação, o segurança de serviço de olhos esbugalhados e maxilares afastados, o espanto e o terror espelhados na delicada face pálida. Uma reacção esboçada determinou o possante golpe, desferido com o punho cerrado, a nebulosa inconsciência desconjuntando a firmeza, o corpo fardado caindo no chão como um trapo velho e amarrotado…

Ruídos desarmónicos rompiam a mudez da noite, ecos de passos e de contenda, ressoando no átrio, criavam em mim uma sensação de subitâneo desconforto. Abri a porta e espreitei para o corredor. Um bípede monstruoso acercava-se, os olhos amarelos fulminantes e a pele queratinizada conferindo-lhe uma aparência extraordinária…

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Olho Amarelo (original em www.westol.com/~banding/GRHE_ASYM_eye_062306.JPG)

música: It's The Fear (Within Temptation)

publicado por V.A.D. às 01:48
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

Artefacto (VII)

“A noite avançava indiferente a tudo, os minutos transformando-se em horas, o corpo cansado clamando por repouso, a mente ficando cada vez menos alerta, afadigada pela intensidade de um dia que ia longo. Levantei-me e dirigi-me à janela, sacudindo, numa vigorosa espreguiçadela, o sono que parecia querer apossar-se de mim. Pareceu-me ter tido um vislumbre de algo, vago e inconsistente, dançando como poeira no ar frio da noite, uma sorte de vidro martelado de fraca difusão atravessando-se, numa interposição transitória, entre o meu olhar e a lua que se erguia, sorrateira, sobre o horizonte enevoado. Julguei que o bafejo da respiração, condensando-se na transparência exposta à friagem outonal, tivesse causado esse engano e virei-me, subitamente apreensivo, para a mesa onde o cubo permanecia, imóvel…

O voador dirigiu-se, silencioso e invisível, ao grande edifício isolado, o navegador entregue à análise dos dados que afluíam aos visores numa torrente de caracteres e gráficos, o piloto dividindo o olhar entre a parede envidraçada que vertia radiação na faixa visível e o solo, pintado em diferentes tons de infra-vermelho. Com uma suavidade inexequível, levou a máquina a tocar a relva que circundava o Instituto…”

V.A.D em Artefacto

Imagem: Lua (original em http://jeffreykishner.com/images/full_moon_large.jpg)
música: In The Cold, Cold Night (The White Stripes)

publicado por V.A.D. às 13:53
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007

Artefacto (VI)

“A nave foi habilidosamente manobrada e revoluteava sobre o plano da eclíptica, a uma altitude de 35786 km acima do nível do mar. Operava agora em modo furtivo, o escudo deflector de radiação actuando como uma manta de invisibilidade sobre o imenso volume, a cegueira dos instrumentos terrestres a ser induzida pela tecnologia de uma raça velha de algumas centenas de milhares de anos. O crepúsculo descia sobre o leito daquele oceano de ar, o azul pintado de verde e branco transfigurando-se na negrura da noite, quando o voador abandonou a câmara de acostagem, lançando-se num abismo desmesurado e ocasionador de vertigens. Os minutos escoaram-se depressa, o afastamento da superfície reduzindo-se, ligeiro, até que os aterradores solavancos e uma aura vermelha de incandescência indicaram que o veículo alígero atingira a ténue camada gasosa, o atrito de milhões de átomos de gás atmosférico gerando forças tremendas que teriam esmagado os tripulantes, não fosse a sua estrutura coriácea e os assentos, feitos de matéria gelatinosa, destinados a absorver os g’s a que estavam submetidos. Com um baque surdo, as poderosas asas, que haviam estado recolhidas no interior da fuselagem, abriram-se no momento predeterminado pelo piloto automático. Sem que deixassem transparecer qualquer desconforto, os quatro alienígenas afundaram-se ainda mais nos moldáveis sessos. O piloto inumano tomou os comandos e examinou o visor principal: às catorze, rodeado por círculos roxos que piscavam, encontrava-se um ponto azul. Obedecendo ao comando de uma garra hábil, a nave apontou o nariz nessa direcção…”

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Terra (http://memphyx.files.wordpress.com/2007/07/earth.jpg)


publicado por V.A.D. às 14:41
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

Artefacto (V)

“Mergulhado num agitado oceano de pensamentos, a cabeça latejando e o suor escorrendo-me abundantemente pela testa, peguei na câmara fotográfica e registei digitalmente diversos planos daquele enigmático sólido geométrico, formulando mentalmente o desejo de que não lhe acontecesse o mesmo que havia acontecido ao cubo do doutor Gurlt. Descoberto no século XIX numa mina de carvão, encontrava-se encerrado numa camada com vários milhões de anos e, segundo diversos investigadores da época, fora trabalhado à máquina. Desaparecera do museu de Salzburg, sem deixar rasto, a sua verdadeira natureza jamais podendo ser esclarecida. Suspirando, abri a mala, calcei as luvas de látex e preparei-me para recolher o objecto, a fim de o levar para o Instituto, onde seriam feitas todas as análises imagináveis, a busca de uma explicação para algo incôngruo a ser levada a cabo, a procura da verdade sempre presente no espírito daqueles que, como eu, desejavam erradicar do mundo todos os mistérios, através do método científico. A luz extinguiu-se, assim que envolvi o artefacto na película plástica esterilizada que havia sido preparada previamente. Com extremo cuidado, coloquei-o no interior almofadado do contentor de chumbo. O prurido que me desinquietava as entranhas e a mente diluiu-se de imediato e o inexplicável desconforto desvaneceu-se como que por magia…”

V.A.D em Artefacto

Imagem: Contentor (www.pelican-cases-flashlights.com/store/stock/p10d.jpg)
música: Imagine (John Lennon)

publicado por V.A.D. às 02:24
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Domingo, 16 de Dezembro de 2007

Artefacto (IV)

A sonda automática havia sido enviada, centenas de anos atrás, para o terceiro planeta do sistema de uma estrela da classe G2V, na periferia da galáxia. Era esse Sol que agora ali estava nos ecrãs, imóvel e amarelo como um globo ocular de qualquer um dos tripulantes, aquentando o corpo ao sol das manhãs claras do planeta natal, num cerimonial que não mais era que uma reminiscência do comportamento ancestral da espécie. Tinham já deixado para trás o quinto planeta, gasoso e de enormes dimensões, o padrão de hidrogénio, hélio e amoníaco congelado convertendo-o numa imensa tela de cor alaranjada, desmanchando o breu do vazio cósmico. A rotação da atmosfera, variável em velocidade angular consoante a latitude, criava modelos circulatórios onde grupos de nuvens conflituosas se moviam em direcções opostas, empurradas por assombrosos ventos ciclónicos, criando vórtices descomunais que envergonhariam o maior dos furacões terrestres. Finíssimos anéis, feitos de incontáveis milhões de partículas de poeira, circundavam a estrela falhada como uma coroa iridescente, acrescentando ao espectáculo visual uma grandiosidade em relação à qual aqueles seres pareciam integralmente alheios. Piloto e navegador concentravam-se na análise de trajectórias, preparando com notória frieza a incrível desaceleração que os levaria à órbita terrestre, enquanto os restantes reviam maquinalmente os planos de acção…”

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Anéis de Júpiter (www.geocities.com/mpennafort/Figuras/jupring.gif)
música: Jupiter, The Bringer Of Jollity (Holst - The Planets)

publicado por V.A.D. às 02:40
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|
Sábado, 15 de Dezembro de 2007

Artefacto (III)

“Soltei uma exclamação de pasmo e aproximei-me da mesa, tábuas grossas de madeira maciça assentes numa estrutura tosca mas sólida. A radiância hipnótica do aparelho parecia entranhar-se-me na mente, a alucinação de algo alienígena introduzindo-se entre as sinapses como um gatuno, a visão embaciando-se, dissolvendo a consistência do material luminescente em contornos trémulos e indefinidos. Fechando os olhos, regressei à lucidez que ameaçara abandonar-me e perguntei à velha senhora se tinha alguma ideia do que seria aquele objecto. A resposta, negativa, foi acompanhada do relato que já me havia feito através do telefonema. O filho, em viagem arqueológica pela América do Sul, encontrara aquilo na cidade perdida dos Incas e imaginara uma engenhosa forma de o fazer sair do país sem que as autoridades locais disso tenham dado conta. Durante cerca de um ano tinha procurado, por todos os meios, decifrar o enigma que aquele objecto encerrava, sem que resultados alguns tivessem sido alcançados, até que se viu acometido por uma estranha doença que o levou à morte. Do único descendente, apenas lhe restavam as nostálgicas lembranças e um cubo que ninguém sabia o que representava… Irrompendo num choro silencioso, abandonou a sombria cave, deixando-me entregue a cogitações, sozinho num halo de luz azul…”

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Cubo (www.litefuzion.com/phdi/p2.nsf/imgpages/1506_FBlueCube.gif/$file/FBlueCube.gif)


publicado por V.A.D. às 02:59
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Artefacto (II)

“Em algum lugar das planuras cósmicas, muito para lá da cintura de Kuiper, um objecto fusiforme de enormes dimensões aproximava-se velozmente, o afilado rasto de iões estendendo-se até quase ao centro da galáxia denunciando a trajectória e a incomensurabilidade da viagem. No âmago do veículo, a atmosfera era silenciosa, quente, húmida e mais densa que a da Terra. Um após outro, os seis seres de aparência reptilínea despertaram do torpor induzido pelas drogas produzidas pela classe dos médicos, abandonando o estado de letargia em que tinham caído deliberadamente, desde que haviam abandonado a órbita do planeta natal, quase noventa alvoradas antes. Embora todos eles se movessem com extraordinário à-vontade pelos diversos caminhos do Saber, faziam parte da elite dos guerreiros, a forma muda e ordenada como ocuparam os seus postos denunciando a férrea disciplina imposta pelo Alto Comando. Nem um som, nem um esgar, nenhuma saudação, apenas a rápida troca de olhares servindo para que se inteirassem da condição de todos e de cada um dos seus iguais. Na câmara de pilotagem pouco iluminada, os diversos mostradores iam sendo ligados; a luminescência azul fosforescente, incidindo sobre a face escameada das criaturas, dava-lhes um aspecto ainda mais pavoroso…”

V.A.D. em Artefacto

Imagem: Nave Fusiforme (original em www.cebas.com/news/images/battleship_640X480.jpg)
música: New Star In The Sky (Air)

publicado por V.A.D. às 02:00
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Artefacto (XI)

. Artefacto (X)

. Artefacto (IX)

. Artefacto (VIII)

. Artefacto (VII)

. Artefacto (VI)

. Artefacto (V)

. Artefacto (IV)

. Artefacto (III)

. Artefacto (II)

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

SAPO Blogs

.subscrever feeds