Sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2008

Insectos (VI)

“A escuridão cegante da noite informe era trespassada por um sem-número de minúsculos pontos brilhantes, o fabuloso espectáculo de um firmamento discrepante podendo ser observado da superfície gélida e inerte do corpo celeste nos confins do sistema. Uma a uma, as naves-colónia ligavam os portentosos foguetes no apoastro, um rasto luzente de gases em rápida expansão impulsionando massas imensuráveis na direcção da estrela diminuída pela distância, carros de assalto aprestando-se para a conquista, o destino esboçando-se num rio vermelho de sangue, o futuro parecendo colorir-se do azul metálico da hemolinfa… As rotas eram traçadas nos computadores quânticos, os pilotos monitorizavam os cosmolábios e faziam correcções a cada instante, Alcor exercendo uma ténue mas perceptível força, os gravitões puxando os veículos para fora da trajectória. Subitamente, através dos comunicadores de todas as naves, chegou o desejo que representaria o malogro. Os machos abandonavam os seus postos, o estímulo incontrolável do acetato de z-dodecenilo agindo como uma força invisível que os atraía para as fêmeas, as fêmeas respondendo instintivamente com a activação das glândulas localizadas junto ao órgão genital reforçando o frenesi, a premência da cópula superando tudo…”

V.A.D. em Insectos

Imagem: Nave-Colónia (http://ferrus.blogs.sapo.pt/arquivo/estrela%20cadente.jpg)

publicado por V.A.D. às 03:18
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De **** a 8 de Fevereiro de 2008 às 12:53
“Firmamento discrepante podendo ser observado da superfície gélida e inerte do corpo celeste nos confins do sistema” – mais uma vez me obrigas a fazer um grande esforço para tentar formar na minha cabeça uma ideia das paisagens que maravilhosamente as tuas palavras me dão a conhecer. Não consigo deixar de achar fantásticas as descrições...

Se antes achava que era um cenário estranho agora deve ser irreconhecível como uma sala de comando... Enfim o final do texto foi sinceramente inesperado, divertido e caricato, deu uma nova ascensão à palavra "arma biológica".

Enfim “make love, not war”... e espero que este último desenlace não contribua para que esta frota inimiga seja abruptamente aumentada e a sua força multiplicada em cada um dos milhares de ovos que daqui podem resultar.

Beijos
E boa continuação de história

Sophia


De V.A.D. a 9 de Fevereiro de 2008 às 23:22
Em primeiro lugar, quero pedir desculpa por só agora responder ao comentário, amiga. A hora tardia e a vontade de concluir o conto deixaram-me sem tempo...

Imaginei a desolação gélida dos planetas mais longínquos do nosso sistema solar, na minha mente formaram-se imagens de um céu negro mas límpido, no qual pontilhavam as centenas de naves em órbita... Tentei transcrever tudo isso e fi-lo de forma simples, mas agrada-me muito saber que o resultado é apreciado, amiga... :-)

Sabendo que nem todos os leitores gostam de ficção científica, confesso-te que às vezes tenho medo de criar cenários estranhos demais... Embora escreva essencialmente porque me dá prazer materializar estas ideias, não nego que a opinião de quem me lê é-me muito cara.

A confusão que reinaria numa sala de comando naquelas condições seria algo de inusitado, ehehehe... :-)
É engraçado como, durante todo o dia de ontem, as palavras "arma biológica" não me saíram da cabeça. Sorri, quando no final do dia li o teu comentário: parece que não fui só eu a pensar nisso... :-)

O desfecho já aí está: a orgia induzida foi a perdição dos insectos... :-)

Desejo-te um óptimo final de sábado e um domingo muito, muito agradável!

Um beijo... :-)


De mnike30 a 8 de Fevereiro de 2008 às 23:47
Bem… nem sei por onde começar, mas acho que vai ser mesmo pelo inicio…
Sim, é assustadora a forma como tu escreves…
Consegues esconder o mais ínfimo pormenor de sentimento/ vivência real atrás de uma ilusão de constantes explosões galácticas.

Poxa! Deves ficar exausto quando, por fim, terminas umas deambulações tão ofegantes, catapultadas para um universo tão osmótico de sonho e realidade.
Posso até dizer que, a cada parágrafo destes “insectos” tive que fechar a boca… nem imaginas as vezes que pensei cá para comigo… “E eu que pensava que era doida”...
Sim, a certa altura, já estava eu completamente inundada pela tua paisagem estelar, "alienei-me" de mim e vi um bloco operatório escondido na “sede do governo”… percebes agora porque é que é assustador ler-te?

Não vou descortinar aqui as tuas metáforas, mas dois sóis “anestesiados” pela força gravitacional ao ponto de originarem tamanho voo intergaláctico… eu não sei… a sério que não… mas posso até apostar que nenhum buraco negro conseguiria sugar tamanha irradiação.

Será da luz do sete estrelo? Acho que não… deve ser mesmo do pó de feromónio presente na tua atmosfera…
Poxa, pá, acho que me calo agora!
Não gostei. Adorei mesmo… até tive medo de ter gostado tanto!

Beijinho

P.S. Atrevo-me a dizer que isto é quase literatura erótico-espacial… ;)


De V.A.D. a 10 de Fevereiro de 2008 às 01:20
Em primeiro lugar, quero pedir desculpa por só agora responder ao teu comentário. A vontade de concluir o conto e a hora tardia a que o fiz deixaram-me sem tempo...

A sério: não sabia que a forma como escrevo podia ser assim como dizes, assustadora, mas enche-me de vaidade contida, perceber que a transcrição das ideias que se me vão formando na mente pode ter um impacto assim tão grande. Uma coisa é certa: escrevo por prazer; é uma descoberta que fiz há pouco tempo e que se tem revelado deveras agradável, também pelo retorno positivo que tem tido.

Mesmo neste género, aquilo que é ficção pura não deixa de conter pedacinhos de quem escreve: algumas das paisagens existem na realidade, algumas das experiências foram vividas; em ambos os casos, pequenos e subtis retoques são dados, a realidade transformando-se em imaginário, o imaginário sendo passado para a escrita, nem sempre da melhor forma, mas sempre com intensidade... :-)

Nem sempre a construção das histórias é fluida e fácil, especialmente porque os pensamentos têm a mania de se atropelar uns aos outros, a escolha, nem sempre a melhor, sendo dificultada por algumas hesitações sobre o caminho a seguir. Enfim... :-)

Existem realmente algumas metáforas, escondidas sob a capa de frases aparentemente descritivas. Talvez venha a abordar uma ou outra, num eventual posfácio a publicar brevemente, no qual pretendo partilhar algumas das minhas considerações sobre a estranheza das coisas que não nos são familiares, mas que nem por isso deixam de ser interessantes, sob o meu ponto de vista.

Para concluir esta resposta, já longa, resta-me agradecer as tuas palavras, amáveis e motivadoras, e deixar-te uma sugestão de leitura, essa sim erótico-espacial: "Os Amantes" de Philip José Farmer, publicado pela Europa-América sob o número 237 da colecção "Ficção Científica"... :-)

Formulando os votos de que a tua noite seja muito, muito agradável, deixo-te um beijo... :-)


De dhyana a 9 de Fevereiro de 2008 às 14:29
Não! Nã... Não pode ser! Uma orgia espacial?! A premência da cópula superando tudo...? És tu amigo?! Adorei! Adorei!
Ah, hás de me dizer onde arranjo esse "acetato de z-dodecenilo"...


De V.A.D. a 10 de Fevereiro de 2008 às 01:31
Ah, amiga...! Tu não sabias ainda desta faceta mais, digamos, liberta...! :-)

A história tomou este rumo... Encerrada na última frase do texto, há uma parábola que espelha uma das minhas convicções: o sexo, não apenas como actividade inerente à procriação, mas sobretudo como fonte de prazer e de realização psicossomática, tem um extraordinário papel na vida, relegando para segundo plano tantas outras coisas... :-)

Eu até te dizia onde deves procurar a feromona descrita, mas não me parece conveniente, eheheheh :-) Ok, ok: é a feromona sexual das... BARATAS, bichos que considero definitivamente repugnantes!

Um beijo... :-)


De Pérola a 9 de Fevereiro de 2008 às 22:03
LOL!
Sexo espaço insectos...
Bem essa imaginação anda ao rubro! :)

Grande beijo, amigo!


De V.A.D. a 10 de Fevereiro de 2008 às 01:34
Eheheheheh, eu consigo ser, às vezes, muito imaginativo... :-)
Espero que o conto se tenha revelado interessante, aos teus olhos, amiga!

Desejo-te uma óptima noite e um excelente domingo!

Um beijo e um enormeeeeeeeee sorriso... :-)


Comentar post

.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

SAPO Blogs

.subscrever feeds