Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

Breve História de Tudo (I)

                   

E a matéria e o tempo nasceram com o Universo, cada um deles representando o papel que a Grande Arquitecta lhes conferiu, engendrando subtis e grandiosas coisas que a nossa mente e os nossos olhos, atentos, podem perceber. Emanámos do interior das estrelas, há milhares de milhões de anos, sob a forma de elementos nascidos da fusão nuclear, os tijolos antigos da nossa construção a serem agregados pelas forças originadas na grande explosão, a matéria diversificando-se em fantásticas transmutações energéticas, a tabela periódica ganhando conteúdo. No ilusório vazio das vastidões universais, a química pré-biótica gera as moléculas precursoras do prodígio da vida, o sortilégio dos aminoácidos resultando de ligações de átomos diversos ao carbono aglutinador, é como que semente a lançar à terra, as nuvens de poeira cósmica, os cometas e os asteróides disseminando a possibilidade biológica que vem a dimanar num pequeno planeta girando à volta de uma estrela comum, na periferia de uma galáxia como tantas mais, a panspermia garantindo a fecundação de um mundo até então inanimado. Nos mares da Terra, a agitação dos infindáveis ciclos de nascimento, reprodução e morte, substitui a esterilidade velha de três mil e quinhentos milhões de anos…

Vídeo: Origem da Vida - Panspermia (www.youtube.com/watch?v=x08ALWRar4E)


publicado por V.A.D. às 00:05
link do post | comentar | favorito
|
10 comentários:
De Pérola a 27 de Dezembro de 2007 às 23:36
Estou de voltar para te ler, amigo!

Beijufas!!


De V.A.D. a 29 de Dezembro de 2007 às 02:14
olá, amiga :-) Espero que o teu Natal tenha sido cheio de alegria.
Agradeço a tua visita, e aproveito para te desejar uma excelente noite!

Um beijo... :-)


De ______ a 28 de Dezembro de 2007 às 17:02
Há dias em q o tudo parece um nada sombrio, há dias em que o nada tudo resolve, há dias em que o tudo e o nada se confundem e se revelam. Porque tudo é um conjunto de pormenores de nadas, desejo-te um 2008 esplendoroso como os textos que partilhas connosco, e muitos sorrisos a sobrar.

Beijo sorridente :)


De V.A.D. a 29 de Dezembro de 2007 às 02:25
Pequenos nadas que parecem tudo,
Dias que parecem nada
Momentos de luta desesperada
Alturas em que me quedo mudo

E a vida é feita disto
Bocados maus, bocados bons
Trevas escuras ou alegres tons
Luto, esforço-me, resisto

E depois vem a serenidade
Problema chato que é resolvido
Num ápice tudo é esquecido
A vida volta à normalidade

Obrigado, Ki...!
Também desejo que o ano novo que se avizinha te seja muitíssimo agradável!

Um beijo... E um sorriso rasgado... :-)


De Cöllyßry a 29 de Dezembro de 2007 às 16:13
Hoje venho desejar...Que no virar do Ano
As pedras que atrapalham o caminho
Sejam varridas de vez
E possas caminhar sem sobressaltos….

Doce meu beijo


De V.A.D. a 29 de Dezembro de 2007 às 23:39
Amiga, agradecendo os amáveis votos que formulaste, também eu te desejo um ano novo cheio de tudo quanto possas desejar!

Um beijo... :-)


De JoãoSousa a 29 de Dezembro de 2007 às 18:49
Bem, não vou perder palavras tentando comentar-te mais uma vez! apenas me vou dar ao luxo de me exprimir num magnifico e barulhento UAU!


De V.A.D. a 29 de Dezembro de 2007 às 23:42
Amigo, essa tua interjeição deixa-me contente, pois presumo que significa agrado da tua parte, em relação àquilo que escrevi... :-)
Desejo-te uma excelente noite e um magnífico ano de 2008!

Um abraço.


De Emanuela a 30 de Dezembro de 2007 às 01:34
Olá meu amigo. Mais uma vez trazes um assunto que me faz correr atrás, pesquisar , aprender. E sabes que gosto disto. É por estas e outras que acho que tens o dom de ensinar, porque nos obrigas a pensar e buscar respostas.Obrigada!
Um beijo carinhoso.


De V.A.D. a 30 de Dezembro de 2007 às 03:22
Olá, amiga... :-) Fico sempre contente por ler as tuas palavras, cheias de uma amabilidade que me incentiva e encanta.
É muito agradável saber que aquilo que escrevo suscita interesse. Em minha opinião, estes temas são realmente fascinantes, na medida em que ilustram não uma história a que somos alheios, mas sim as nossas origens mais remotas. Se não conhecermos o passado, não saberemos entender o presente. Se não soubermos que somos pouco mais que poeira das estrelas, podemos ser tentados a julgar que o mundo tem de estar a nossos pés... Se percebermos que a nossa insignificância cabe na vastidão de uma história de milhares de milhões de anos, creio que podemos encarar a existência com um olhar mais sereno... :-)
Desejo-te uma óptima noite e um excelente domingo!

Um beijo... :-)


Comentar post

.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

SAPO Blogs

.subscrever feeds