Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

Imutabilidade

“Por um momento, quando entrei, a sala foi-me estranha. A velha mobília, cuidadosamente tratada com óleo próprio para móveis, parecia estar exactamente como sempre a lembrara: o sofá no mesmo canto, o candeeiro de pé ladeando-o e as almofadas, bordadas à mão com motivos florais, distribuindo-se sobre ele de forma ordeira. Os livros na estante dir-se-iam intocados durante a minha ausência e o pequeno mapa-mundi, cuidadosamente emoldurado, permanecia estático na parede alva, para me fazer recordar os nomes e as bandeiras dos países, a geografia política teimando em resistir às alterações de um passado recente, guardando os conhecimentos que o meu falecido avô fazia questão de partilhar. Julguei-me atracar no cais abrigado e acolhedor de uma prodigiosa ilha, isolada do tempo, imune ao bulício erosivo do oceano da vida moderna, em permanente frenesi. Olhei para a janela envidraçada, por onde penetravam os últimos raios de sol daquele límpido dia de Inverno, emprestando ao ambiente uma suavidade que me enternecia e comovi-me. Há coisas que parecem não mudar…”

V.A.D. em Imutabilidade.

Imagem: Sala (original em www.lakechamplainsummer.com/livingroom2%20%20SEwebblur.jpg)

música: Think Twice (Groove Armada)

publicado por V.A.D. às 03:10
link do post | comentar | favorito
|
16 comentários:
De Madrigal a 29 de Novembro de 2007 às 08:13
Caro V.A.D

Gostei imenso do que li e parabéns. Ambos partilhamos o gosto pelo fiar da pena e fazemos dessa actividade uma catarse fantástica. Obrigado pelos momentos de leitura que me proporcionaste e caso não nos comunicarmos, desejo-te um feliz natal.

Jorge


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:18
Caro Jorge, fico extremamente contente por saber que aquilo que vou escrevendo consegue agradar. Descobri, há cerca de um ano, que a escrita, feita com assiduidade e nestes moldes, é um exercício que me traz imenso prazer.
Agradecendo-lhe as palavras gentis, assim como a sua visita, desejo-lhe uma excelente noite. Estou certo de que nos voltaremos a comunicar, pois tenciono fazer uma visita ao seu blog.

Um abraço.


De Madrigal a 29 de Novembro de 2007 às 08:17
O meu blog encontra-se desde Abril noutra plataforma - madrigais.blogspot.com - mas não consigo fazer comentários usando o blog actual, pelo que optei por usar do mail do SAPO, ainda que fazendo referência a um blog desactivado.

o meu mail: glauco61@gmail.com

Obrigado

Jorge


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:21
Fui bisbilhotar o seu perfil nesta plataforma e fiquei com a ideia de que a pretende usar regularmente, importando o blog. Espero que o consiga fazer, pois a comunicação tornar-se-á mais fácil, através do uso de algumas potencialidades, tais como a adição como amigo.

Um abraço.


De Melissa Yedda a 29 de Novembro de 2007 às 10:29
O lugar descrito traz uma sensação de sereno conforto e bem estar...
Coisas, e lugares que vão se sobrepondo ao tempo, guardando histórias, tornam-se para nós sacramentais e ajudam-nos a manter um equilíbrio tão necessário.
Desejo-te um dia cheio de suavidade.
Beijos


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:28
A velha sala de uma casa com mais de duzentos anos de idade tem, impregnadas nas paredes, as memórias dos meus antecessores e algumas que são também minhas. Sempre que as revivo, sinto-me envolvido por uma enorme sensação de paz e, como muito bem referes, ajudam-me a manter o equilíbrio.
Obrigado, amiga: o meu dia, embora agitado e longo, foi agradável. Espero que a tua noite também possa ser plena de suavidade.

Um beijo... :-)


De teresworld a 29 de Novembro de 2007 às 10:30
"Há coisas que parecem não mudar..." que parecem paradas no tempo um contraste abosulto com esta sociedade moderna, em completa ebulição.

Um Beijo

Teres


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:29
Subscrevo, na íntegra, aquilo que refere. Aliás, a estranheza que referi no início do texto, prendia-se precisamente com esse contraste: num mundo em constante alteração, a permanência de certas coisas é estranhamente encantadora e encantadoramente estranha... :-)
Votos de uma excelente noite!

Um beijo... :-)


De Fisga a 29 de Novembro de 2007 às 11:49
Chamava-se regresso ao futuro: Aqui é o regresso ao passado, passado esse que já em muitos casos é uma relíquia. Gostei muito, e fui como que por magia transportado para um passado já com algumas dezenas de anos, e senti nostalgia. obrigado fisga.


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:31
Sempre que as nossas memórias nos transportam a agradáveis tempos pretéritos, sentimos essa nostalgia, que tão adequadamente mencionou. Nestes regressos ao passado, encontramos muitas vezes a noção, tantas vezes esquecida, de que também somos o somatório dos momentos que vivemos.
Eu é que tenho de lhe agradecer, quer as palavras, quer a sua visita!
Votos de uma excelente noite!

Um abraço.


De ______ a 29 de Novembro de 2007 às 12:45
Há coisas que parecem não mudar e trazem cheiros do passado embrulhados em memórias. A tranquilidade aconchegante da coisa no memso sítio transporta-nos para um tempo em que cuidávamos ser imutável. Lá dizia Lavoisier: " Nada se perde tudo se transforma..."

Beijos:)


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:32
Com este texto quis, de certa forma, mostrar a mim mesmo que nem tudo é mudança e que existem coisas que, pela sua permanência, constituem uma referência, uma ilha na qual podemos recobrar o equilíbrio, tantas vezes ameaçado pela pressa de uma vida que nem nos deixa parar para reflectir. Mas é na mutabilidade que evoluímos, e nela também me sinto em casa... :-)
Desejo-te uma noite muito, muito agradável... E cheia de serenas variações! :-)

Um beijo... :-)


De Emanuela a 29 de Novembro de 2007 às 23:49
Uma das senações mais reconfortantes que experimentamos é o "voltar para casa", principalmente quando amamos o que, e quem está ali. O mundo lá fora pode ser de excepcional beleza, de tantas coisas que nos aguçam a curiosidade, que nos enchem os olhos e nos dispersam os sentidos.Mas,depois de um tempo fora apodera-se de nós aquele suave: "ah!, minha casa". Tudo vale mais a pena, quando se tem para onde voltar.
Beijos!


De V.A.D. a 30 de Novembro de 2007 às 01:40
O "mundo lá fora" é para ser explorado, é para ser questionado e é, em última instância, para ser vivido e entendido com um furor enérgico. Mas, voltar a casa, em sentido lato, é também voltar ao nosso passado, feito de muitos lugares onde nos sentimos confortáveis e onde as memórias agradáveis parecem fluir na nossa mente. É uma pausa que se faz, é um desencadear de profundas sensações de uma estabilidade que permite o equilíbrio...
Desejo-te uma excelente noite!

Um beijo... :-)


De MalucaResponsavel a 8 de Dezembro de 2007 às 11:23
Nostalgia neste dia, n? gostei do mapa-mundi... bj


De V.A.D. a 9 de Dezembro de 2007 às 00:48
Há dias assim, agradavelmente nostálgicos, em que parece ser mais fácil olhar o passado, com saudade, mas perceber que o presente é algo de maravilhoso, a ser vivido plenamente.
Nestes dias lembro-me do meu avô, uma pessoa extraordinária pela forma sui generis de encarar o mundo... :-)

Um beijo... :-)


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds