Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

Intangível

“Em alguns momentos de insólito destempero, tenho a impressão de, na presença de outros, não existir de todo. Olho à minha volta e congemino que ninguém, absolutamente ninguém, me está a prestar atenção. Os olhares alheados, fixos num infinito de quiméricos e falaciosos horizontes, parecem permear-me como se o meu corpo fosse feito do mais transparente e incolor cristal, deixando-me siderado pela insegurança de não ser. Decidem não me perceber como tangível; interrogo-me sobre a minha irrealizável invisibilidade e estremeço. Cai-se-me a compostura, imagino-me feito de esfumada fantasia, um mero desvario de uma mente desconchavada. Perco-me de mim, arrastado pelo caótico delírio de ter rasgado, amarrotado e deitado fora, o invólucro que é o corpo onde não caibo. E depois, a angústia. A aflição de apanhar do chão os pedaços dispersos pelo vento e reconstruir a arrevesada exterioridade. A urgência de me reunir à roupagem, para que o conteúdo encontre o formato. O receio de que o espírito soçobre, se se ausentar do organismo. A certeza de que só sou se for uno…”

V.A.D. em Algures.

Imagem: Intangível (www.paasonen.com/media/0000000518.jpg)

música: Breathe Me (Sia)

publicado por V.A.D. às 01:34
link do post | comentar | favorito
|
10 comentários:
De teresworld a 5 de Novembro de 2007 às 09:52
Todos me vêem
a seus olhos
roupagens diferentes

Mas...
Quem me vê
simplesmente transparente?

Quem me vê
pedindo socorro?

Quem me vê
o desejo estampado no rosto?

Quem me vê
balançando insegura?

Quem me vê????

Por vezes é assim, sinto que "na presença de outros, não existir de todo"...

Um Beijo...

Teres


De V.A.D. a 6 de Novembro de 2007 às 01:47
Estou consciente de que todos sofremos, a espaços, as terríveis dores da insegurança... Sei que, nessas alturas, tendemos a envergar uma roupagem que oculte a transparência que devíamos poder sempre exibir... Contudo, estou em crer que nenhum deserto é inultrapassável... :-)
Desejo-lhe uma noite muito, muito agradável!

Um beijo...


De Emanuela a 6 de Novembro de 2007 às 01:53
O que é o nosso corpo,meu amigo? Só uma ilusão! Acredito ser esta a única certeza: um dia o corpo vira pó. Inda assim ( creio nisto) o espírito permanecerá. É bom ter esta fé, mesmo que seja como dizem: "um salto no escuro".
Beijos, e o desejo de que estejas "inteiro" por muito tempo.


De V.A.D. a 6 de Novembro de 2007 às 02:14
Sabes que, sendo ateu, não acredito que o espírito possa sobreviver à morte do corpo. Podia dizer que gostaria de acreditar, mas estaria a mentir. Satisfaço-me com a certeza de que a vida pode ser aproveitada de uma forma rica e bonita.
No entanto, o meu respeito pela religiosidade de cada um sobrepõe-se a tudo, e por isso te digo que fico contente por teres fé. Talvez consigas ver a existência com uma esperança diferente, uma vez que crês que ela não se esgota num período curto e finito: é para toda a eternidade...
Desejo-te uma noite muito, muito agradável!

Um beijo... :-)


De Sónia a 6 de Novembro de 2007 às 10:55
Gostei do post. tens uma maneira engraçada de escrever sobre temas pouco comuns. bjs.


De V.A.D. a 7 de Novembro de 2007 às 00:12
Muito obrigado! Tento fugir aos temas rotineiros, para que este espaço não se torne (ainda mais) chato... :-)
Votos de uma óptima noite!

Um beijo... :-)


De MalucaResponsavel a 8 de Novembro de 2007 às 19:00
às x sinto-me tão assim... já sei pq é q tnh saudds de ler-te. pq me identifico e pq escreves bem. bj


De V.A.D. a 10 de Novembro de 2007 às 02:00
Creio que, uma vez por outra, todos nos sentimos assim... Desligados de nós mesmos, a nossa mente separada do resto...
Rapidamente, essa impressão desvanece-se, e voltamos a ser unos...
Desejo-te um óptimo fim-de-semana!

Um beijo... :-)


De dhyana a 15 de Novembro de 2007 às 16:32
O Ponto

Mínimo sou,
Mas quando ao Nada empresto
A minha elementar realidade,
O Nada é só o resto.


Reinaldo Ferreira.




De V.A.D. a 16 de Novembro de 2007 às 02:10
Fiquei maravilhado com a forma, simples mas imensamente profunda, como um simples ponto é descrito. É verdade que sou um ponto, mas também é certo que a outros pontos me uno, para que o somatório seja uma infinita linha recta, desvanecendo o Nada em Coisa Definida...!
Desejo-te uma noite cheia de Tudo!

Um beijo... :-)


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds