Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

Os Outros (V)

“Acordei com o som irritante do velho despertador. Mesmo que viva mais cem anos, nunca me irei habituar àquele ruído esganiçado e intermitente, que me entra pelos ouvidos adentro, qual trombeta em desatino tocada por um músico alienado. Um agonizante cansaço, que me moía os ossos e oprimia as têmporas, não impediu que me levantasse de rompante: sabia ser a única forma de não voltar a cair num sono esvaziado e estupidificante. Ansiava por um duche que me arrancasse, da pele e da mente, a sujidade das lunáticas horas daquela noite cataléptica. Depois de satisfeita uma premente necessidade fisiológica, abri a torneira e, enquanto esperava que a água se fizesse quente, olhei-me no espelho. O choque foi avassaladoramente brutal e indescritível na sequela. A minha face, escanhoada escrupulosamente havia menos de um dia, apresentava-se coberta por uma longa barba cerrada. Os olhos, vermelhos de minúsculos mas incontáveis derrames, denunciavam uma fadiga impossível. Levei os dedos à nuca, e o tacto disse-me que lá estava a cicatriz dos meus medos, ainda por sarar. E o meu juízo, desfazendo-se numa geleia grumosa e peganhenta, desagregou-se do meu ser e escorreu por mim abaixo…”

V.A.D. em Os Outros.

Imagem: A Perda do Juízo (http://baltgames.lv/v2/usergalleries/46135.jpg)

música: Exchange (Massive Attack)

publicado por V.A.D. às 00:04
link do post | comentar | favorito
|
10 comentários:
De dhyana a 2 de Novembro de 2007 às 16:57
Estou a adorar o conto, ficcionado com primor como é o teu constume. Mas esta frase aqui deixou-me maravilhada:

E o meu juízo, desfazendo-se numa geleia grumosa e peganhenta, desagregou-se do meu ser e escorreu por mim abaixo…”

Adorei! Quase que consigo palpar o sentimento.
...

Cataléptica- adorei esta palavra, parece traduzir o meu ser em som: CA-TA-LÉP-TI-CA. O sentido da mesma é que não é nada de agradável, mas a sonoridade é genial.
Beijos...


De V.A.D. a 3 de Novembro de 2007 às 01:42
Confesso-te que a frase fluiu dos meus dedos com uma facilidade incomum, num daqueles raríssimos momentos de inspiração à séria...
O conto podia ficar por aqui. O final é sempre a parte mais complicada, e creio que este serviria os meus propósitos, que passam por deixar a quem lê a possibilidade de tirar conclusões, que podem ser diversas. No entanto, creio que ainda há espaço para uma conclusão, digamos, mais definitiva.
Amiga, não posso deixar de te agradecer: agradam-me as tuas visitas e são sempre gentis, os teus comentários.
Desejo-te um fim-de-semana muitíssimo agradável!

Um beijo... :-)


De Cöllyßry a 2 de Novembro de 2007 às 18:31
Pois, infernal é isso do despertar, deveria ser lento que apaziguava o dia, levantar devagar tambem...um banho à noite é relaixante..........voltei________
Gostei de te ler_______________Meu doce beijo


De V.A.D. a 3 de Novembro de 2007 às 01:43
Embora o texto se insira num conto de ficção, é verdade que tenho sempre de me levantar de rompante, senão volto a adormecer, vendo-me assim impedido de respeitar algo que considero sagrado: a pontualidade... :-)
Obrigado pela visita e pelo comentário. É sempre um imenso prazer “ver-te” por este meu espaço.
Bom fim-de-semana!

Um beijo... :-)


De Anónimo a 2 de Novembro de 2007 às 20:31
Mt bem escrito! Fico presa à leitura! adorei a última frase. Acabou ou ainda continua? bjs


De V.A.D. a 3 de Novembro de 2007 às 01:46
Agradeço as tuas gentis palavras.
Haverá uma continuação, embora este pudesse ser o final, pois permite que o leitor tire as conclusões que quiser. Creio, no entanto, que é imperativa uma conclusão.
Bom fim-de-semana!
Um beijo... :-)


De Emanuela a 2 de Novembro de 2007 às 22:03
O que é a realidade? Através do conhecimento da nossa mente, o que nos pode ser impingido? De que maneira ela pode ser usada por cientistes inescrupulosos, ou seres de outros mundo?
Teu conto faz-me pensar...
Beijos!


De V.A.D. a 3 de Novembro de 2007 às 01:47
Muitos fenómenos acontecem, para os quais não há uma explicação definitiva e cabal. Embora firmemente convicto que tudo é passível de ser explicado pela ciência, mantenho uma mente aberta, e não descarto nenhuma possibilidade... :-)
Votos de um maravilhoso fim-de-semana!

Um beijo... :-)


De Lazy Cat a 3 de Novembro de 2007 às 00:05
Oh God!
Aguardo ansiosamente as linhas seguintes.....

meu beijo...


De V.A.D. a 3 de Novembro de 2007 às 01:55
As derradeiras linhas, desta minha ousadia chamada conto, não se farão esperar. Este post poderia ter representado o final, recheado de uma ambiguidade que talvez fosse enriquecedora...
Bom fim-de-semana!

Um beijo... :-)


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds