Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

Sentidos (I)

“Por um Sentido entende-se o que tem o poder de receber as formas sensíveis das coisas, sem a matéria”

Aristóteles, em De Anima

 

Se tivéssemos apenas cinco sentidos, estaríamos perdidos. Confundiríamos as noções de para cima e para baixo, não saberíamos quando comer ou beber, permaneceríamos no frio até que os nossos membros ficassem entorpecidos ou, ainda, deixaríamos a mão exposta ao calor de um forno, por exemplo, até que o nosso olfacto nos avisasse de que algo estava errado. Além de toda esta confusão, estaríamos constantemente preocupados com o que os nossos membros estão a fazer. Na lista normal dos sentidos constam apenas aqueles que recebem informações do mundo externo ao nosso organismo: visão, audição, paladar, tacto e olfacto. Mas, além dos dados sobre o mundo que nos cerca, precisamos de uma infinidade de informações sobre o que está a acontecer dentro de nós mesmos.

Imagem: Cinco Sentidos (www.west.asu.edu/call/5%20SENSES.jpg)

 

música: I See A Different You (Koop)

publicado por V.A.D. às 01:12
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Emanuela a 18 de Junho de 2007 às 04:20
Sem dúvida, nossa sensibilidade vai muito além dessas cinco formas...
E saber o que vai dentro de nós, pode ser algo além de toda sensibilidade, de todo conhecimento. Muitas vezes achamos que nos conhecemos muito bem, que temos perfeito domïnio sobre nós mesmos... e somos surpreendidos. Mas acho que aí é que reside a verdadeira centelha da vida: na possibilidade infinita de aprendizado, de busca. E na nossa capacidade infinita de mudanças, de melhoramentos.Um grande abraço e ótimo começo de semana!


De V.A.D. a 19 de Junho de 2007 às 02:15
Subscrevo integralmente o que referiste. Os processos mentais ligados às emoções e à percepção que temos do nosso "Eu" são de uma extrema complexidade e não são de forma alguma rígidos; moldamo-nos a novas situações e adaptamo-nos, aprendendo. Contudo, há outros tipos de actividade, de cariz meramente fisiológico; algumas permitem a interligação entre o "Eu" e o mundo exterior, outras servem para regular determinados parâmetros bem definidos, dentro dos quais a vida é possível. Neste, e no post seguinte, pretendo sintetizar alguns destes processos que, sendo tão evidentes, são tão poucas vezes abordados.
Votos de uma óptima noite.

Um grande abraço!


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds