Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

Sentidos (I)

“Por um Sentido entende-se o que tem o poder de receber as formas sensíveis das coisas, sem a matéria”

Aristóteles, em De Anima

 

Se tivéssemos apenas cinco sentidos, estaríamos perdidos. Confundiríamos as noções de para cima e para baixo, não saberíamos quando comer ou beber, permaneceríamos no frio até que os nossos membros ficassem entorpecidos ou, ainda, deixaríamos a mão exposta ao calor de um forno, por exemplo, até que o nosso olfacto nos avisasse de que algo estava errado. Além de toda esta confusão, estaríamos constantemente preocupados com o que os nossos membros estão a fazer. Na lista normal dos sentidos constam apenas aqueles que recebem informações do mundo externo ao nosso organismo: visão, audição, paladar, tacto e olfacto. Mas, além dos dados sobre o mundo que nos cerca, precisamos de uma infinidade de informações sobre o que está a acontecer dentro de nós mesmos.

Imagem: Cinco Sentidos (www.west.asu.edu/call/5%20SENSES.jpg)

 

música: I See A Different You (Koop)

publicado por V.A.D. às 01:12
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Emanuela a 18 de Junho de 2007 às 04:20
Sem dúvida, nossa sensibilidade vai muito além dessas cinco formas...
E saber o que vai dentro de nós, pode ser algo além de toda sensibilidade, de todo conhecimento. Muitas vezes achamos que nos conhecemos muito bem, que temos perfeito domïnio sobre nós mesmos... e somos surpreendidos. Mas acho que aí é que reside a verdadeira centelha da vida: na possibilidade infinita de aprendizado, de busca. E na nossa capacidade infinita de mudanças, de melhoramentos.Um grande abraço e ótimo começo de semana!


De V.A.D. a 19 de Junho de 2007 às 02:15
Subscrevo integralmente o que referiste. Os processos mentais ligados às emoções e à percepção que temos do nosso "Eu" são de uma extrema complexidade e não são de forma alguma rígidos; moldamo-nos a novas situações e adaptamo-nos, aprendendo. Contudo, há outros tipos de actividade, de cariz meramente fisiológico; algumas permitem a interligação entre o "Eu" e o mundo exterior, outras servem para regular determinados parâmetros bem definidos, dentro dos quais a vida é possível. Neste, e no post seguinte, pretendo sintetizar alguns destes processos que, sendo tão evidentes, são tão poucas vezes abordados.
Votos de uma óptima noite.

Um grande abraço!


Comentar post

.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

SAPO Blogs

.subscrever feeds