Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

A Teia do Tempo

“Foi então que vi a jovem. Estava junto à porta, a não mais de três metros de distância, a falar com o gerente. Eu nunca a tinha visto. Tinha a certeza disso, mas o meu subconsciente disse-me que a conhecia. Ela tinha olhos grandes, escuros, bem colocados no tipo de rosto oval que os mestres flamengos punham somente nos anjos mais belos. Os cabelos dela eram escuros, de cor indeterminada sob a luz mortiça do café, dobravam-se suavemente sobre o pescoço e os ombros e desciam até rodear-lhe o fundo das costas. Estava vestida com uma espécie de túnica que tornava terrivelmente feminina a sua figura arrapazada. Ao fim de alguns minutos soube de onde a conhecia. Na minha juventude, durante um extenso período de leitura de literatura romântica, eu salvara aquela garota de tudo, desde cavaleiros maldosos até dragões terríveis em muitos sonhos meio recordados. Aquela era a rapariga que falava aos unicórnios; o símbolo da pureza e graça que eu jurara servir quando fizera os meus votos de lealdade e ficara de vigília com a minha espada durante uma longa noite. (…) Aquela era a rapariga dos meus sonhos.”

Excerto de A Teia do Tempo (The Unicorn Girl, no original), de Michael Kurland, escritor norte-americano nascido em 1938. Esta é uma obra invulgar no domínio da ficção científica, pelo seu humor e fina crítica social. Mas é também um dos trabalhos mais profundos que têm sido escritos sobre a possibilidade da existência de trilhos temporais alternativos.

Imagem: Ampulheta (www.oraculartree.com/spagnollo_Ampulheta.jpg)

música: Time (Allan Parson's Project)

publicado por V.A.D. às 00:02
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Insideout a 26 de Abril de 2007 às 18:54
Que texto bonito, gostei imenso e não conhecia esse autor. É como te digo, aqui estou sempre a aprender! E por isso mesmo... Visita logo o meu blog! Eheh! Surprise!
Um beijinho.


De V.A.D. a 27 de Abril de 2007 às 02:13
O livro de onde foi retirado o excerto é o único que possuo deste autor. Mas gostei tanto do que li, que vou tentar adquirir outros títulos. Tantas maravilhas para ler e tão pouco tempo! :-)

Beijinhos


De InsideOut a 27 de Abril de 2007 às 00:08
Pede-se ao Sr. VAD que se desloque ao InsideOut logo que possa, para levantar o seu prémio.


De V.A.D. a 27 de Abril de 2007 às 02:23
Agradeço-te a homenagem e aceito a tarefa difícil de homenagear outro blog. É uma escolha que tem que ser ponderada; amanhã estarei em condições de a fazer... :-)

Beijinhos


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds