Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2007

Robert Silverberg

"Trombetas soaram em diversos tons. Apareceu à distância uma procissão de nobres de roupas limpas e cabelo cortado curto à maneira romana, porque aquela cidade era tão romana quanto grega. Todos vestiam sedas alvas...importadas, com grandes despesas, por intermédio de caravanas vindas da China. Os bizantinos ainda não tinham conseguido roubar o segredo do seu fabrico. E o sol do fim da tarde, incidindo nas esplêndidas túnicas num ângulo agudo, conferia à procissão um tal brilho de beleza, que mesmo Capristano, que já anteriormente assistira a tudo aquilo, se mostrou comovido. Muito lentamente, os altos dignatários avançavam e a sua passagem demorou cerca de uma hora. Chegou o crepúsculo. A seguir aos sacerdotes e duques de Bizâncio, vieram as tropas imperiais, transportando velas acesas, que cintilavam no crescente entardecer, como se fossem uma infinidade de estrelas. A seguir, mais padres, trazendo medalhões e ícones e depois um príncipe de sangue real, com o risonho e rechonchudo infante, que viria a ser o poderoso imperador Teodósio II. Depois, o próprio Imperador , Arcádio, envergando a púrpura imperial. O imperador de Bizâncio! Repeti mil vezes as palavras para mim mesmo. Eu, Judson Daniel Elliot III, ali de pé , sob o céu bizantino de 408 D.C...."

Excerto de O Correio do Tempo, de Robert Silverberg, um extraordinário romance sobre viagens temporais e os seus paradoxos, e onde são apresentadas interessantes e muito precisas descrições de factos e costumes da História antiga.

Imagem: Moeda bizantina

música: Sour Times (Portishead)

publicado por V.A.D. às 02:27
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De InsideOut a 21 de Fevereiro de 2007 às 13:26
Medalhões e ícones... É engraçado como sempre nos ligamos a essas pequenas coisas. Símbolos que têm um determinado significado. Que achamos possuir algum poder. Muitas vezes esse poder está dentro de nós, na nossa mente. A mente humana ainda está muito pouco estudada.


De V.A.D. a 21 de Fevereiro de 2007 às 14:19
Da mesma forma que damos importância a símbolos, também valorizamos os rituais... Talvez demos valor a coisas sem valor, e nos esqueçamos daquilo que mais importa.
A humanidade sempre precisou de símbolos, de forma
conseguir abarcar numa simples imagem um pedaço da realidade cultural. Vejamos os ícones dos nossos dias... são o espelho daquilo que somos, enquanto sociedade...

Bom resto de dia :-)

Cumprimentos


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds