Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

Luz (II)

“Luzes piscaram, frenéticas, a advertência de que o gerador iria ser colocado no ralenti, conforme preestabelecido, tomando a forma de indicação visual. Apercebeu-se do abrandamento, o zumbido que se lhe instalara em todas as fibras diminuindo até à cessação completa, o silêncio emudecendo o frenesi dos parsecs galgados sem tempo, novamente a invulgar noção de se separar de um corpo que se tornava indistinto, a névoa refulgente afigurando-se-lhe aliviada dos vinte e um gramas de si próprio. Curta foi a separação, a unicidade manifestando-se imperativa logo que no visor principal as décimas desciam abaixo de nove, a apneia transformando-se num suspiro, diafragma e músculos intercostais relaxando-se controlada e conscientemente para evitar a vertigem da fusão. Derivava agora no pélago estrelado da noite espacial. Deixara atrás de si o Sol reduzido a um pequeno círculo luminoso que prescindira de ferir a vista, os instrumentos de medida confirmando os cálculos efectuados meses antes, as mais de vinte e três mil Unidades Astronómicas transitadas podendo ser inequivocamente lidas no mostrador apropriado. Ligou os foguetes de manobra, a trajectória sendo corrigida até de novo ter a estrela à sua frente e quedou-se, deixando que alguns minutos passassem, deslumbrando-se com a solidão negra que o envolvia. Recompunha-se, assimilando a magnitude do engenho humano, preparando-se para o salto que o levaria de novo a casa, a estação espacial em órbita da Terra representando o lar que escolhera.

Regressou, duzentos e setenta dias mais tarde, a tempo de assistir ao nascimento do seu filho, concebido na noite antes da partida. Para ele, menos de uma hora havia transcorrido… Conquistara o futuro, a máquina provando o inequívoco mas paradoxal entrelaçamento entre velocidade, espaço e tempo.”

V.A.D. em Luz

Imagem: Estação Espacial (http://www-cache.daz3d.com/store/item_file/3564/image_medium.jpg)


publicado por V.A.D. às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Abril de 2008

Luz (I)

“Primeiro, um tremendo bramido fez-se sentir, o corpo estremecendo mais que os ouvidos percebendo o som, a liga metálica da nave insurgindo-se contra a violência a que as leis relativíssimas a submetiam, uma chispa estonteante desfazendo a escuridão do vazio, enchendo de uma fantasmagórica claridade azulada a exígua cabine onde se encontrava, a radiação fria unindo-se à lividez do seu rosto marcado pela temerosa estupefacção. Depois, a incompreensível sensação de se descorporizar, a matéria de que ele também era feito transfigurando-se numa incongruente sombra estendida atrás de si, cada átomo isolando-se dos outros, as moléculas desagregando-se num fulgor que parecia conter a luz das estrelas. Lentamente, à medida que a aceleração abrandava, a mente reuniu-se ao corpo, a integridade enquanto organismo manifestando-se num arquejo incontido, o oxigénio puro a metade da pressão à superfície da Terra sendo inspirado profunda e demoradamente num fôlego de vida reencenada. Olhou o ecrã de organic-led, 1c agigantando-se a vermelho sobre o fundo negro…! Por um instante construído de eternidade, todo o espaço condensou-se num só ponto, os mostradores do painel enlouquecendo, os dígitos sucedendo-se numa inacreditável cadência, a distância percorrida superando os limites da imaginação humana, o Universo contorcendo-se sobre si próprio para acomodar o trânsito da cápsula que nada mais era agora que energia…”

V.A.D. em Luz

Imagem: Luz (original em http://orbitingfrog.com/blog/wp-content/uploads/2007/07/opo9603a.thumbnail.jpg)


publicado por V.A.D. às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|
Domingo, 27 de Abril de 2008

Sonhos

                  

"Considerei fechar definitivamente o baú dos sonhos, mas quedei-me, hesitante... Faria assim algum sentido, a vida...?"

V.A.D. em Sonhos

 

“Do Androids Dream of Electric Sheep?”

Philip K. Dick

 

Vídeo: Love Theme – Blade Runner   (www.youtube.com/watch?v=C9KAqhbIZ7o)


publicado por V.A.D. às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|
Sábado, 26 de Abril de 2008

Miau...

                 

Regozijo-me com coisas pequenas: três gatinhos num velho palheiro trouxeram-me à mente a recordação. Embora ainda não fosse verão, o dia estava quente e soalheiro, viam-se andorinhas às dezenas. Foi no pátio da velha morada, em frente à adega secular, que vi a gata, miando de dores. A minha avó tratava das flores, quando a resolveu ajudar. Pegou nela, desceu a escada. Ardendo de curiosidade, segui-as; queria ver… Deitada na palha macia, tendo-nos por companhia, a gata parecia gemer, talvez de esforço ou ansiedade. Vi a maravilha da vida nascer de dentro dela. Fiquei assim, assombrado, quieto, mudo, atordoado… A natureza é de facto bela; precisa apenas de ser entendida. Hoje, repetiu-se a magia. Três gatinhos, o mesmo local. Voltei a ser criança…! Levado por uma lembrança, revivi um momento especial. Enchi-me de uma imensa alegria…!

Imagem: Gatinho, hoje


publicado por V.A.D. às 03:00
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Seis Palavras

                

Respondendo a um desafio da Lazy Cat, partilho convosco uma memória recorrente, as tardes da minha infância sendo passadas na centenária casa dos meus avós maternos, o meu avô ensinando-me o muito que sabia de geografia, os nomes dos países e das respectivas capitais fluindo-lhe com a extraordinária simplicidade de quem nunca permitiu que o analfabetismo fosse ignorância…

 

“Gostava de percorrer contigo o mapa-múndi…”

 

Imagem: Mapa-Múndi (original em www.bibliosoft.pt/images/mapa_mundo.gif)

 

 

Café com Nata

Dhyana

Emanuela

Fisga

Pérola

Teresworld

 

Lanço-vos o repto: uma memória, seis palavras… Seis Blogs...


publicado por V.A.D. às 03:00
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Terça-feira, 22 de Abril de 2008

Sol Vermelho (X)

Epílogo

 

“Dormíamos pouco. A evolução não lhe havia cerceado o desejo; apenas pela madrugada permitíamo-nos ceder ao sono melifluamente exausto das noites repletas de descobertas e transbordantes de suores. Os dias eram preenchidos. Ocupava-me entre a universidade onde leccionava história arcaica e o instituto de tecnologia, os meus conhecimentos ajudando na empresa de construir um dispositivo que rompesse controladamente a cadeia temporal, o passado afigurando-se-lhes a única forma segura de escapar à morte pelo fogo estelar, o escudo de protecção na origem das minhas peripécias sendo agora uma ideia posta de parte.

Alguns anos depois, a máquina foi aprontada e voluntariámo-nos para a viagem experimental, a época que me havia visto nascer sendo o destino escolhido, a possibilidade de voltar a estar sob a amarela luz do Sol de meia-idade preenchendo os meus sonhos, ela sentindo uma imensa curiosidade acerca do meu mundo e da minha espécie. Desde então, temos passado muito do nosso tempo na velha Terra. Se, numa ocasião qualquer, sentirem que estão a ser vítimas de abdução, não temam. Os médicos pretendem apenas conhecer aprofundadamente o metabolismo dos seres humanos. Se alguma vez virem um veículo aéreo com a forma de disco, é verosímil que seja eu a pilotá-lo. Às vezes, por brincadeira, desenhamos símbolos nas searas, os jactos frios do sistema de propulsão dobrando o trigo ou o milho em padrões lindíssimos. Usando este mesmo método, talvez venha a mostrar-vos um retrato meu.”

V.A.D. em Sol Vermelho

Imagem: Retrato (original em www.greatdreams.com/crop/Chilboltonface.gif)


publicado por V.A.D. às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

Sol Vermelho (IX)

“Ela chegou, elegante e segura, o seu olhar cruzando-se com o meu, os sorrisos estampando-se nos nossos rostos numa demonstração de indiscutível cumplicidade, o abraço que lhe havia ensinado mostrando-nos a intensidade recíproca do afecto. Sentámo-nos sob a pequena árvore descendente das antigas palmeiras, o jardim do complexo habitacional onde agora vivia apresentando-se magnificamente cuidado pelos robots, o banco feito de uma espécie de espuma biológica moldando-se aos nossos corpos esguios e saudáveis, encostados enquanto contemplávamos silenciosamente o mar que se estendia sereno até ao horizonte, aquilo que fora o Atlântico fazendo parte do imenso oceano que rodeava de água o agora único continente do velho planeta. Observámos assim o crepúsculo, o sol vermelho enchendo de tonalidades quentes a atmosfera calma, o ar enchendo-se de coleópteros bioluminescentes num espectáculo que me fazia retornar à infância, os pirilampos parecendo ter encontrado o caminho para a continuidade da espécie. As nossas vidas haviam sido interligadas por circunstâncias inesperadas. Queria que esse entrelaçamento se aprofundasse e viesse a frutificar. Enchendo-me de audácia, virei-me para ela e coloquei-lhe enfim a questão que se insinuava há muito na minha mente e que havia calado tantas vezes. A resposta, imediata e calorosa, inundou-me de uma felicidade que chegara a supor estar-me irreversivelmente vedada…”

V.A.D. em Sol Vermelho

Imagem: Pirilampos (http://farm1.static.flickr.com/140/376367551_7a1b2ad16b.jpg)


publicado por V.A.D. às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Domingo, 20 de Abril de 2008

Sol Vermelho (VIII)

“Começara a arrefecer. A brisa de norte ia soprando para longe o sufocante calor daquela tarde estival, a tricentésima octogésima terceira noite da minha vida resgatada aproximando-se ligeira para trazer consigo a efeméride, um ano nesta idosa Terra prestes a perfazer-se. Ao longo dos evos, a órbita planetária havia sido alongada, a ténue mas contínua pressão de mais de dois nanopascal, exercida pela torrente de protões e electrões vinda da coroa solar, resultara num sensível afastamento do planeta em relação ao sol, o vento solar alimentando a magnificência das auroras e acrescentando dezoito dias ao tempo necessário a uma revolução completa do astro em torno da estrela-mãe. Não que isso importasse muito. A longevidade do corpo onde a minha mente agora se albergava era medida em milénios, a perspectiva de ter tempo para me tornar um deles abrindo-se risonha perante mim, a oportunidade de lhes ensinar o que sou revelando-se ampla. Ela aprendera já a apreciar o vento na pele e a sentir o cheiro das estações, descobrira comigo a beleza do voo das aves ao crepúsculo, percebera entre os seus dedos a delicadeza das pétalas de uma flor e ia-se maravilhando cada vez mais intimamente com estes pequenos nadas, a emotividade abafada por incontáveis séculos de racionalidade despontando de forma arrebatadora. Partilhara comigo alguns dos segredos mais recônditos da Natureza, os conhecimentos adquiridos ao longo de um pedaço de eternidade fazendo-me sentir um rotundo indouto, os enigmas mais antigos desvendando-se numa simplicidade feita de lógica e coerência. Compartia comigo a sua vida, as minhas mágoas diluindo-se num sentimento que se consolidava, a minha entrega fazendo-se progressivamente. Nunca iria esquecer o passado, mas estava disposto a usufruir da existência…”

V.A.D. em Sol Vermelho

Imagem: Aurora Boreal (www.nossosaopaulo.com.br/images/Paisagem2007MAI_AuroraBoreal.jpg)


publicado por V.A.D. às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sábado, 19 de Abril de 2008

Sol Vermelho (VII)

“O choque quis destruir a minha sanidade, os pesadelos inundando-me como volutas negras e acres durante a noite, uma catalepsia agonizante enchendo os dias que se seguiram à revelação da verdade, a mente agachada refugiando-se no beco escuro e sombrio do desespero, encurralada por um fosso que se abria, profundo e horrendo, e que a separava do tempo a que pertencia por direito próprio. Sentia-me irremediavelmente perdido, um estranho entre a sua própria descendência, as incontáveis gerações apartando-me, enquanto indivíduo, da espécie que já não era a minha, arrancado fortuitamente a um passado a que me via impossibilitado de regressar, atirado para um futuro onde não encontrava raízes. As semanas escoavam-se por entre interrogatórios fastidiosos e intermináveis testes psicotécnicos, a desalentada monotonia sendo apenas diminuída ao crepúsculo quando os olhar da neurocirurgiã se afundava no meu, o pretexto de verificar a minha condição servindo para justificar as visitas diárias que se me iam aparentando cada vez mais pessoais que médicas. Aos poucos, via-me a aumentar a fluência numa linguagem cujos étimos me eram bem conhecidos, a comunicação tornando-se cada vez mais fácil e apetecida. Íamo-nos esquecendo do tempo, embalados em conversas que se prolongavam mais e mais, a negrura do céu, suavizada pelo vermelho do sol retirado, servindo muitas vezes como tecto, a estranha ausência de Selene não obstando a um enamoramento crescente. Pensei muitas vezes nos poetas desta singular época, a merencória luz da lua não podendo figurar nos seus escritos, a literatura, embora empobrecida, não deixando por isso de glorificar o amor que sempre pode despontar entre dois seres…”

V.A.D. em Sol Vermelho

Imagem: Sob o Céu (original em www.arthurdurkee.net/images/JTsunset5446w.jpg)


publicado por V.A.D. às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

Sol Vermelho (VI)

“Sou Fab’hio, o engenheiro. O quebra-cabeças tem vindo, aos poucos, a ser resolvido. O veículo alienígena fora mantido em órbita, um pequeno gerador de antigravidade colocado no seu interior servindo para estabilizar a trajectória elíptica até ser completada a análise microorgânica. As amostras recolhidas parecem ter gerado uma inusitada euforia entre os microbiólogos, a vasta flora compondo-de de bactérias e fungos trazendo novos dados que parecem confirmar a hipótese que tem vindo a ser aventada acerca da natureza e proveniência da nave e do seu ocupante. Apesar da transferência horizontal de ADN, a taxa de evolução microbiana é fundamentalmente inferior à dos organismos superiores, as notáveis similitudes entre os genomas de organismos autóctones e alienígenas sendo certamente explicadas por uma origem comum.

Finalmente, rebocadores especialmente concebidos haviam trazido o aparelho para a superfície planetária, dias e noites transcorridos sem que se desse conta da sua passagem, o fascínio associando-se à aura de antiguidade que parecia rodear a estranha máquina, a vontade de desvendar os segredos de uma tecnologia desapropriada levando a concluir da incongruência de uma viagem pelas lonjuras espaciais. Fora agendada uma teleconferência, as maiores sumidades destes tempos do fim dissecando as informações disponíveis, a grande comunidade científica focando todo o seu saber na empresa de solucionar o enigma. Do extenso relatório, avulta-se a singular conclusão de que uma disrupção temporal, provocada pelo ensaio do escudo protector, pode ter arrebatado a um tempo pretérito aquele ser indefeso, antepassado de nós…”

V.A.D. em Sol Vermelho

Imagem: Nave (www.javierayuso.com/starwars/ships/NabooRoyalStarship.jpg)


publicado por V.A.D. às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|

.quem eu sou...


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

SAPO Blogs

.subscrever feeds