Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

Sem Título

“Sentia-se espalhado pelo solo pedregoso e áspero, disperso por entre a poeira esbranquiçada e inerte dos séculos esquecidos, a sua identidade esfumando-se num insignificante torvelinho, a consciência reduzindo-se a um quase nada, como que se enrolando numa esfera colapsante, a compreensibilidade esvaindo-se de si próprio, fugidia, as diagramáticas imagens laboriosamente construídas deslizando no inevitável declive entrópico de um entorpecimento vazio e cinzento. Deixara de sondar, tornara-se incapaz de entender o que ainda via, uma atroz inépcia aprisionando-o numa incomensurável aridez desarrazoada. Um derradeiro raciocínio assomou-se-lhe ao espírito, o último paroxismo suspenso num fio de inteireza: não fora em vão, aquela vida. Havia atingido um quê de plenitude, conhecera a perfeição de uns instantes perpetuados na sua própria essência, alimentara-se de fascínios indescritíveis, partilhara-se numa fusão tão absoluta quanto inesperada… E, subitamente, a inanidade das trevas separou-o da existência…”
V.A.D. em Sem Título
Vídeo: Adagio for Strings (Samuel Barber) (http://www.youtube.com/watch?v=CA93ybVGCeg)

publicado por V.A.D. às 03:00
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Velucia a 28 de Outubro de 2008 às 01:19
Oi VAD

Um belo texto, só não entendi porque "sem título".

Posso sugerir?

Talvez: "fusão", "fusão inesperada", "não fora em vão".

Só uma sugestão, não sei se está de acordo sobre o texto pretendido.

Abraço.


De Emanuela a 30 de Outubro de 2008 às 01:24
Será assim, morrer? Os últimos momentos poderiam ser desta forma, uma análise do que de fato foi importante durante a existência, para então apagar-se a mente para este tempo e espaço...
Ou simplesmente momentos de vida em que a própria vida parece tão sentido, para surgir no amanhã, depois de um sono reparador achando que tudo faz sentido absoluto. É assim, né amigo? Porque quando vemos o sol brilhando lá fora, quando ouvimos o canto suave dos pássaros e respiramos o ar puro da manhã, não é só o dia que renasce, também nós mesmos.
Beijinhos


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds