Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

Personificação

“Era como se respirasse a própria atmosfera da galáxia, era como se se banhasse no mar de partículas e energia de que o Universo é feito, era como se estivesse nas profundezas do espaço, ante os milhares de pontos de flamejantes que se destacavam sobre o suave manto da Via Láctea, era como se viajasse por entre essas estrelas firmemente entrelaçadas nas interacções gravíticas de um referencial cuja magnitude, de difícil apreensão, o deixava boquiaberto, aqueles instantes resultando num incontido arrepio, vinte e um gramas de si próprio suspensos pelos invisíveis e poderosos fios das emoções, extáticos perante a profundidade castanha de uns olhos magnéticos, dentro dos quais um novo e sedutor mundo se ia desvelando… Era como se redescobrisse a vida a cada pulsação, era como se reencontrasse a felicidade a cada sussurro clamado, era como se rejuvenescesse a cada encontro almejado. Havia descoberto, por fim, aquilo que nem sabia poder existir: a personificação dos próprios sentimentos…”
V.A.D. em Personificação

Vídeo:Fever (Peggy Lee) (http://www.youtube.com/watch?v=JGb5IweiYG8)


publicado por V.A.D. às 15:00
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De **** a 12 de Outubro de 2008 às 01:19
"aqueles instantes resultando num incontido arrepio" - foi realmente um arrepio que me fez companhia durante a leitura do texto. A descrição que fazes ao longo dele está simplesmente sublime , fazendo-me perder por um Universo com um brilho muito especial, muito mais intenso que o olho humano nos permite vislumbrar. Desde que te leio (sentido-me cada vez mais repetitiva) é notório o teu encanto pelo espaço, pelo "mar de partículas e energia de que o Universo é feito", e a mestria que foste desenvolvendo em relação a ele, contudo esta forma de o usares como metáfora é ainda mais arrebatadora.
Talvez a melhor maneira nos referirmos a sensações, sentimentos ou pensamentos indescritíveis seja precisamente recorrermos a experiências que nos ultrapassam, que transcendem o que fazemos. Há certos episódios da nossa vida que só se poderiam comparar às "profundezas do espaço, ante os milhares de pontos de flamejantes que se destacavam sobre o suave manto da Via Láctea", certas coisas que nos fazem maravilhar com a "magnitude, de difícil apreensão".
São sensações quase irracionais que fazem tremer algo que não se percebe bem - chamem-lhe alma ou anima aos "vinte e um gramas de si próprio suspensos pelos invisíveis e poderosos fios das emoções".

E realmente é uma sensação óptima aquilo de descobrir algo maravilhoso "que nem sabia poder existir"...

Beijos
e uma noite em que reenconstres"a felicidade a cada sussurro clamado", em que todos os teus sentimentos se personifiquem

Sophia


PS - Também a música é arrebatadora: Enebria-nos, enlouquece-nos, deixa-nos febris...


De V.A.D. a 19 de Outubro de 2008 às 03:14
Não tenho palavras para descrever o contentamento que sinto por perceber que fui capaz de imprimir nas palavras uma pequeníssima parte da miríade de emoções que o ser humano é capaz de experimentar. As metáforas têm realmente um estranho poder; através delas logramos enfatizar algo que de outra forma não poderia ser cabalmente expresso. A majestosidade simples e absoluta de certos eventos só pode encontrar paralelismo na magnitude das forças que governam o Cosmo, ou nas manifestações avassaladoramente energéticas dos Quasares... E, ainda assim, as palavras não passam de um esquisso desajeitado, comparadas com a profundidade de certos sentimentos... :-)

Mais maravilhosa que a descoberta daquilo que nem se sabia poder existir, é a noção de que existe um crescendo que desafia todos os limites... :-)

Agradecendo a gentileza com que sempre me presenteias, também eu te desejo uma noite absolutamente magnífica!

Beijos e sorrisos ilimitados... :-)


De Fisga a 13 de Outubro de 2008 às 18:40
Olá Amigo V. A. D. Era como se respirasse a própria atmosfera da galáxia. Era como se redescobrisse a vida a cada pulsação. E a música? E a ilustração da dita? Tudo junto é bem a prova da verdadeira personificação das coisas, e de nós próprios, a cada momento e em cada instante da vida. Gostei e adicionei aos meus favoritos. Um abraço e boa noite. Eduardo.


Comentar post

.quem eu sou...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Curvatura

. O horizonte de eventos e ...

. Subjectividade

. O "capacete de deus"

. Apontamento (II)

. Apontamento

. Alter Orbe (II)

. Alter Orbe (I)

. Marte

. Regresso

.arquivos

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Fevereiro 2012

. Junho 2011

. Janeiro 2011

. Março 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

.Blog Nomeado Para:

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds